Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

sábado, 29 de janeiro de 2011

GAYZISMO NA SALA DE AULA, OBRIGATORIAMENTE

A iniciativa será lançada no mês que vem, como o começo do "Mês da História LGBT" - uma iniciativa para encorajar ensinamento sobre assuntos gays, lésbicos, bissexuais e transsexuais".

Os planos das aulas, espalhados por todo o currículo, serão oferecidos a todas as escolas, que podem escolher se fazem uso ou não deles.

Entretanto, críticos na última noite falaram que a iniciativa era um pobre uso dos recursos públicos que poderiam desviar do ensinamento de assuntos "centrais".

Entre as sugestões estão:

Matemática - ensinar estatística através de dados do censo sobre o número de homossexuais na população, e usar personagens gays em cenários para problemas de matemática.

Design e tecnologia - encorajar alunos a fazer símbolos ligados ao movimento dos direitos gays.

Ciências - estudar espécies animais onde o macho toma um papel de liderança em criar jovens, tais como os pinguins imperadores e cavalos marinhos, e organizar discussões de classe sobre diferentes estruturas familiares, incluindo "pais" do mesmo sexo.

Geografia - examinar a transformação do distrito de Castro, em São Francisco, nos anos 60, de uma área da classe trabalhadora irlandesa ao primeiro "bairro gay", e considerar por que gays se movem do campo para as cidades.

Línguas - usar personagens gays em cenários de papeis principais, e ensinar o "vocabulário LGBT".


Os planos de aula, escritos por professores e apoiados pelo Ministério da Educação, estarão disponíveis para as escolas fazerem o download a partir do site Schools Out.

Para as crianças menores, os planos vão sugerir o uso de imagens de duplas do mesmo sexo e também promover livros tais como "And Tango Makes Three", que é sobre dois pingüins machos criando um jovem pintinho, inspirado por eventos reais no zoológico de Central Park, de Nova York.

A organização Schools Out, que gere o evento de um mês de duração, declara em seu site que o objectivo é "celebrar a vida e as conquistas da comunidade LGBT" e "encorajar todos a ver a diversidade e o pluralismo cultural como forças positivas".

No entanto, Craig Whittaker, deputado do Partido Conservador por Calder Valley e membro do Comitê de Educação, disse: "Isso é um absurdo.

"Professores devem se concentrar no ensino de assuntos centrais, para que nos tornemos os melhores naqueles novamente. Eu não vejo que introduzir temas LGBT dentro daqueles temas irá ajudar.

"Não se trata de ser homofóbico, porque há outros esquemas ao redor do sistema de ensino que apoiam a agenda LGBT".

John O'Connell, da Aliança dos Contribuintes, acrescentou: "Os pais se perguntam se este é o uso correto dos recursos e tempo nestes assuntos, principalmente quando continuamos a ouvir como os orçamentos estão apertados".

Sue Sanders, da Schools Out, defendeu o projeto.

Ela disse: "Essas lições não são grandes lições eloquentes sobre LGBT e nada mais.

"Todos nós estamos tentando fazer é lembrar os professores que as pessoas LGBT são parte da população e você pode incluí-las na maioria das suas aulas quando você está pensando inclusivamente."

David Watkins, um professor envolvido no esquema, disse: "Nós não queremos que os professores comecem a dizer 'Isto é uma aula gay'." Nós só queremos que as lições não ignorem que há pessoas gays e lésbicas que sofrem de problemas e questões.

"Quando você tem um problema de matemática, porque tem que envolver uma família heterossexual ou um namorado e namorada? Por que não dois meninos ou duas meninas?

"Não se trata de ensinar sobre sexo gay, trata-se de imagens e expor crianças à ideia de que existem outros tipos de pessoas lá fora".

Um porta-voz do TDA disse que o financiamento foi garantido no último mês de março e que £20.000 era para ir para os planos de aula, com o restante gasto principalmente no site.

Um porta-voz do Departamento de Educação, acrescentou: "Estes são materiais pedagógicos opcionais. Em última análise, são para os chefes e os professores escolher os recursos pedagógicos mais adequados para ajudar a promover a igualdade e tolerância".

O Mês da História LGBT começou em 2005 e antes se concentrava mais no estudo de proeminentes figuras supostamente homossexuais.

Uma lista em seu sítio inclui Adriano, o imperador romano, Michelangelo, o pintor renascentista, Alan Turing, o matemático, e Will Young, o cantor.

Fonte: Daily Telegraph

Nenhum comentário:

Postar um comentário