Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

quinta-feira, 31 de março de 2011

QUE COISA SÉRIA!!!!!

Na ARGHentina os três maiores jornais não circularam por conta de um movimento de "caminhoneiros" que protestavam diante das empresas e não deixavam os jornais saírem para as bancas.
O governo da Barbie da terceira idade nada fez para reprimir os manifestantes.
Isso é LIBERDADE de imprensa lá na terra do Perón.
...
Loko Chavez de Cadeia recebe o prêmio de jornalismo Rodolfo Walsh, concedido pela Faculdade de Jornalismo e Comunicação Social da Universidade Nacional de la Plata.

Segundo aquela universidade pública ARGHentina, o prémio será entregue a Loko Chávez devido ao "seu autêntico e inquestionável comprometimento com a liberdade dos povos". Há há há!!!! Esquerdofrênico idiota tem até na ARGHentina!!!
...
O Ex presidente Defuntus Sebentus recebe DIPROMA DE DOTÔ de Universidade Portuguesa que recebe anualmente mais de 20 milhetas de verdinhas para 900 bolsistas brasileiros estudarem lá.
Já que não conseguiram coisa melhor, vai Coimbra mesmo, né? 
Ou seja, o Sebento comprou o DOTÔRADO, ou a Universidade de Coimbra vendeu a alma ao diabo.

DESCONSTRUINDO MARX PART VII

O APARELHO IDEOLÓGICO DE MARX
___________________________________


Na teoria Marxista, o aparelho do Estado compreende: o governo, a administração, o exército, a policia, os tribunais, as prisões, etc. que nada mais é que o aparelho repressivo do Estado, funcionando pela violência.
O conjunto de vários aparelhos estatais específicos compõe os Aparelhos Ideológicos do Estado, legislando e executando em prol da revolução e teoricamente para o bem da sociedade, mas a proletária, pois as demais classes sociais extinguidas com a revolução certamente cairiam no pente fino revolucionário.
Porem se observarmos o Estado como aparelho administrativo e repressivo da sociedade marxista, está alem do bem e do mal, não é nem publico nem privado, mas a condição de toda a distinção entre o publico e o privado
A ideologia era massivamente regrada pela ideologia que atua em todos os setores e educando, sancionando e censurando, não dando liberdade nem mesmo para as questões do espírito.
Para Marx, seu ideário era uma revolução e nessa revolução tudo teria de ser modificado, desde a base social, econômica, jurídica e religiosa. Uma sociedade preparada para o grande objetivo que era a autogestão da sociedade e uma sociedade livre de governo, mas que sem o estagio do socialismo jamais poderia se preparar para o comunismo pleno.
Tudo voltado e trabalhado em prol da ideologia, a construção do homem perfeito para a sociedade utópica perfeita.
A combinação da educação, religião e aparelho repressor formava a equação certa para o sucesso da construção do ideário de Marx, porem enquanto ditadura do proletariado com grupo ou partido a frente do ideário, o poder fazia os governantes esquecerem o real objetivo de toda sua teoria: A sociedade igualitária, sem a exploração do capital e do capitalista.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
____________

Em se tratando de Marx como ser humano e como um pensador/cientista, diga-se de passagem, extremamente de esquerda, seu pensamento, independente da área pela qual se dedica a analisar e formular, sejam o direito, sociologia, política, economia ou religião, sempre deixou na sua teoria uma marca profunda no radicalismo, esquerdismo pleno, utópico e sem originalidade.
Contradiz-se, ao teorizar em prol de uma sociedade justa, que de justa só contemplava a ele próprio e seus seguidores posteriores. Deixou a imagem de pensador humanista, mas para quem nunca viveu a realidade proletária, só se tornou figura marcante influenciando o pensamento contemporâneo, como uma alternativa ao sistema capitalista liberal, reafirmo, sem originalidade teórica pela sua farta pesquisa e influencia de pensadores como Hegel, Rousseau e seus contemporâneos, Phroudon, Saint Simon, que o fizeram criar as adaptações necessárias as suas teorias socialistas difusas para não parecerem cópias mal feitas de seus concorrentes filosóficos de esquerda.
Concluo, afirmando dentro de minha analise a pessoa de Marx e sua obra, que seu maior legado é sim o tratamento que sua teoria exige de seus simpatizantes, um espírito religioso e devoto aos preceitos escritos pelo mais celebre esquerdista contemporâneo.
            Numa analise imparcial de sua obra, dificilmente encontraremos igualdade e justiça, mas uma substituição da classe dominante, legislação em causa própria e privilégios e ações radicais para a busca e manutenção do poder.












BIBLIOGRAFIA
______________

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. São Paulo; Martins Fontes, 2001
MARX, Karl, O Capital: critica da economia política, Volume I, Livro primeiro, Tomo I. São Paulo: Abril, 1983
MARX, Karl. Manuscrito econômico filosóficos. São Paulo: Bontempo, 2004
Hegel, G. W. F. Fenomenologia do espírito, Petrópolis: Vozes, 2002
FREITAS, Lorena de Melo. Marxismo, Direito e a problemática da ideologia jurídica. Artigo apresentado ao 4º colóquio de Marx e Engels.
NAVES, Marcio Bilharinho. Marxismo e Direito: Um estudo sobre Pachukanis. São Paulo, Bontempo Editorial, 2000
FERREIRA, Adriano de Assis. O Marxismo de Miguel Reale. Prisma Jurídico, São Paulo, 2006
MISHIN, Stalinav. Marxismo Ocidental, o que vos espera. MSM, 2010

DESCONSTRUINDO MARX PART VI

PROJETO ECONOMICO DE MARX
_______________________________

O diagnostico inicial de Marx para a visão econômica é que o labor não é uma satisfação de uma necessidade e sim um meio de suprir outras necessidades, pelo que o individuo só se sente livre no desempenho de funções que mais o identifica diante de suas capacidades e habilidades.
Marx foi o analisador dos problemas sociais e via que as soluções estavam numa nova ordem econômica, uma reorganização do capital e uma legislação que fundamentasse e mantivesse este novo modelo social alinhado ao seu conjunto ideológico.
Entre a visão empírica e a analise dos grandes teóricos do capitalismo, Marx colocava o seu ideal de mudar a história, sabendo ele que esta mudança acarretaria numa transformação não só do modelo econômico, jurídico e político, mas da mentalidade da sociedade através do estudo da ideologia que vinha teorizando e aplicando na formação de organizações e divulgação de seu ideário.
A economia política que Marx trabalhava no sec.XIX significava designar uma determinada área do conhecimento voltada para os problemas da sociedade humana relacionadas com a produção, acumulação, circulação e distribuição de riquezas.
Em sua Contribuição a critica da Economia Política, Marx diz que “a economia clássica inicia na Inglaterra com William Petty e na França com Boisgillebert e termina na Inglaterra com David Ricardo e na França com Sismondi” (Marx, 1859, p. 47), os demais economistas os intitulavam de vulgares.
Marx trabalhou muito encima de achismos, pois não analisava a sociedade como um todo, mas o que observava ao seu redor e seu objeto principal não era a sociedade capitalista, mas o modo de produção capitalista, conseqüentemente estava construindo uma sociedade utópica na sua abstração.
Via o papel do dinheiro no sistema capitalista em segundo plano, dando mais ênfase ao mundo das mercadorias e o dinheiro sendo a conseqüência de um processo mercantil. Em determinado momento de seu pensamento ele passa dar autonomia ao dinheiro dentro do sistema colocando o fator monetário como meio e resultado ao mesmo tempo, ou seja, o dinheiro não apenas compra, mas também pode ser uma mercadoria, transformando o processo capitalista num circulo vicioso.
Suas preocupações em socializar, igualar as condições de produção e distribuição do capital, deram margem a outras interpretações, onde a força revolucionaria romântica, toma a forma na pratica numa ditadura do proletariado, mas sem deixar de haver a liderança que legisla, administra e executa mais em causa própria do que para a sociedade em geral.
Um tanto misterioso, ainda, o motivo pela qual Marx que nunca foi um proletário ter enveredado a estudar os problemas da sociedade e vislumbrar algo diferente e melhor do que o sistema capitalista que naquele momento engatinhava no continente europeu. Dentro de sua obra mais se encontra ideário que soluções, utopia sujeita a adaptações e distorções do que uma teoria com possibilidades de se concretizar.
Para Marx o Estado é o instrumento na qual uma classe domina e explora outra classe. O Estado seria necessário a proteger a propriedade e adotaria qualquer política de interesse da burguesia, seria o comitê  executivo da burguesia No manifesto comunista, Marx e Engels, explicitam que o poder político, adequadamente assim denominado, é meramente o poder organizado de uma classe para oprimir a outra.
Assim veremos que a teoria de Estado elaborada por Marx, é derivada do que Marx teorizava como classes sociais, onde para este autor, a luta entre as mais variadas classes é o configura a história de toda sociedade, uma história construída por grupos de interesse organizados, as classes sociais. Classes que são egoístas, não lhe importam os interesses nacionais, seus interesses estão acima do nacional, muito menos as classes opositoras.
Para Marx as classes não seriam somente um grupo de que compartilha de certo status social, mas é definida em relações de propriedade. Para ele havia aqueles que possuíam o capital produtivo, com o qual expropriavam a mais-valia, constituindo assim a classe exploradora, de outro lado estava os assalariados, os quais não possuíam a propriedade, constituindo assim o proletariado.
Desta maneira vemos que Marx definiu a classe, ao invés de relacionada com a posição social ou do prestigio de seus membros, relacionou esta com a propriedade produtiva, ou seja, detentores de capital ou não. Isto porque se fossem relacionadas como a posição social, as classes de renda distintas não comungariam dos mesmos interesses.

DESCONSTRUINDO MARX PART V

PROJETO JURIDICO DE MARX

Na teoria materialista de Marx, o direito, apesar de ser sua primeira formação acadêmica, não passaria de uma superestrutura governada pela infra estrutura econômica, com a ressalva que no marxismo é reconhecida certa inter relação entre o direito e a economia.
[...] essa concepção só pode levar a conclusão dos juristas, conforme conceito exposto pela maioria de seus expoentes, de que o direito é um conjunto de regras coercitivas a serviço da classe dominante, detentora dos meios de produção, sejam a burguesia ou o proletariado. (Reale, 2001, p. 375).
Esta inter relação é explicitada por Marx na seguinte afirmação:
“O direito é uma face do econômico, mas entendida no sentido dinâmico e tenso da economia”
O que vemos ao longo das praticas do marxismo é o direito reduzido a mero instrumento estatal para realizar praticas políticas publicas em nome do proletariado, esvaziando-se de sentido autônomo: “[...] direito é aquilo que o Estado diz que é [...]” (Reale, 1970, p. 101). E cada dirigente no seu Estado de poder revolucionário definiria o direito conforme suas conveniências momentâneas.
Existe a interpretação de que a teoria marxista é reducionista, baseada na interpretação de que o marxismo reduziria o direito à superestrutura de processos de produção, apesar de ressalvas feitas pelo próprio Marx destacando a ação regressiva da ordem jurídica sobre as forças que a constituíram.
Essa ação regressiva se explica de forma lógica quando assumimos que o socialismo não é um regime e sim um estágio dentro da teoria de Marx. Ele vislumbrava como objetivo principal o comunismo, ou seja, autogestão, supressão de grande parte do direito que no socialismo ou estágio preparatório para o comunismo, é o leme que direciona a sociedade para plena adaptação ao comunismo ou o regime objetivado por Marx desde os primórdios da formação de seu pensamento filosófico/político/econômico.
Dentro da perspectiva de supressão do capitalismo pela via revolucionaria, o direito capitalista burguês que orienta uma economia de mercado pouco pode ser utilizado como ferramenta de regramento. O conjunto de leis deve ser formado novamente conforme a necessidade da cúpula revolucionaria governante e que por principio, está à frente do ideal comum do proletariado que os seguem.
Por mais que Marx, dentro do seu contexto filosófico/político observe a sociedade como um grupo que deva ter liberdade para escolher o seu rumo, ou seja, na sua base teórica a democracia apareça de maneira explícita, na prática, como resultado da ação revolucionária, o totalitarismo se faz presente, transformando os líderes revolucionários em ditadores que privilegiam seus pares e que tomam o poder como seu principal objeto de desejo.
A opressão feudal que o capitalismo deixou para trás, ressurge num formato diferenciado: onde havia rei e nobreza apoiado pelo clero, no socialismo prático temos por experiência, um líder e sua cúpula do partido.
A Igreja não mais participa das questões sociais e políticas, no marxismo a imagem do líder apoiado pela cúpula partidária e do próprio partido como um todo e um regramento jurídico praticado por um eficiente regime de policiamento do Estado faz com que o socialismo de estágio se torne um regime duro, cruel, e de jurisdição a serviço do Estado conforme a sua necessidade de manutenção do grupo dominante.
A democracia no pensamento marxista ilude a sociedade, pois apenas sugere a sociedade que tenha direito individual de governar e transfira numa eleição para o seu candidato. A questão que os candidatos são todos do meio revolucionário, sendo assim a escolha se torna uma manutenção do grupo dominante que detém o poder em nome da revolução e da busca da pratica do comunismo.
“A democracia é a estrada para o socialismo” Karl Marx
Um direito censor é explicitado pelos que praticaram o marxismo, e que o próprio Marx teorizou este direito censor como uma forma de acomodar e organizar o proletariado para o comunismo pleno.
"Aquele que agora fala sobre a "liberdade de imprensa" retrocede e impede nossa corrida impetuosa ao Socialismo." Vladimir Lênin
"Um sistema de licença e registro é o dispositivo perfeito para negar posse de arma à burguesia." Vladimir Lênin
Marx elaborou uma tese em que o Direito, como regra de conduta coercitiva, encontra sua origem na ideologia da classe dominante, que é precisamente a classe burguesa. Necessário fazer-se uma ressalva a esse pensamento, uma vez que o Direito não é o efeito exclusivo da vontade da classe econômica senão a síntese de um processo dialético de conflito de interesses entre as classes sociais, que Marx denominava de luta de classes. Entra aí Sociologia Jurídica com o intuito de explicar as causas e os efeitos do Direito, uma vez que este se imiscui com os fenômenos sociais, construindo e organizando uma hierarquia social em que o poder é exercido de forma legítima pela classe dominante, que é de fato quem legisla, ainda que não ilimitadamente em razão da resistência da classe operária.

Ora, na visão de Marx o processo de dominação encontra suas raízes na origem da humanidade, se dando por força do "direito escravagista; depois, feudal; finalmente burguês ou capitalista, acompanhando o desenvolvimento das forças produtivas que vão fazendo história. Marx acreditava que "as forças econômicas numa sociedade eram as principais responsáveis pelas modificações em todos os outros setores e, conseqüentemente, pelos rumos do curso da história", o que não significa dizer que o Direito é exclusivamente efeito da vontade da superestrutura econômica, e não a sua causa.
O Direito serviu como causa determinante sem a qual o capitalismoo floresceria, haja vista a necessidade de garantir-se um mínimo de estabilidade social, econômica e jurídica para a expansão de um mercado inserido na eterna e conflitante relação do capital com o trabalho.
 Por fim, Marx defendeu a tese segundo a qual a evolução econômica é ponto de partida para as evoluções política, jurídica, filosófica, religiosa, literária etc., mas também afirmou que a base econômica não é causa única do complexo processo de mudança social, uma vez que todas as evoluções encontram-se vinculados, reagindo umas sobre as outras. De fato, "a afirmação de que Marx reduziu toda a vida social à vida econômica é falsa, pois ele fez exatamente o contrário: revelou que a vida econômica não é mais do que uma parte integrante da vida social e que a nossa representação do que se passa na vida econômica é falseada na medida em que não percebemos que atrás do capital, da mercadoria, do valor, dos preços, da distribuição dos bens se esconde a sociedade dos homens que nela participam que serão a posteriori pelo direito regulados e, em certa medida, alienados.

DESCONSTRUINDO MARX PART IV

O PENSAMENTO RELIGIOSO DE MARX
____________________________________

Marx dentro de sua formação teórica, também divagou pelo campo religioso, fazendo criticas ferozes sobre os alicerces religiosos da sociedade capitalista, o cristianismo.
“Marx seguramente afugentará a Deus de Seu céu, e até mesmo O processará. Marx chama a religião cristã de uma das religiões mais imorais”. (Conversações com Marx e Engels, Insel Publishing House, Alemanha, 1973).
Marx acreditava que os cristãos antigos haviam massacrado homens e comido a sua carne. Com essas expectativas, Marx se inicia nas profundezas do satanismo. Não era verdade que Marx nutria sublimes ideais sociais sobre ajudar a humanidade e que a religião era o obstáculo para atingir esse ideal, sendo este o motivo que levou Marx a adotar uma atitude anti religiosa.
“O biógrafo de Marx escreve: "Pode haver muito poucas dúvidas quanto ao fato de que aquelas estórias intermináveis eram autobiográficas... Ele tinha o ponto de vista do diabo quanto ao mundo e a maldade do diabo. Às vezes, “ele parecia reconhecer que estava executando obras do mal.”
Quando Marx terminou Oulanem e outros de seus primeiros poemas nos quais reconhece ter um pacto com o diabo, ele não tinha quaisquer pensamentos quanto ao socialismo. Até mesmo o combatia. Era redator de uma revista alemã, a "Rheinische Zeitung", que "não concede nem mesmo validade teórica às idéias comunistas em sua forma atual, não menciona desejar sua realização prática, a qual de qualquer modo crê impossível... As tentativas feitas pelas massas para executar idéias comunistas podem ser respondidas por um canhão, tão logo se tornem perigosas..." Após alcançar este estágio em seu modo de pensar, Marx encontrou Moses Hess, o homem que representou o papel mais importante de sua vida, e que fez adotar o ideal socialista. Hess o chama "Dr. Marx - meu ídolo, que dará o chute final na religião e política medievais". Assim, dar um pontapé na religião era o principal objetivo, e não o socialismo. George Jung, outro amigo de Marx daquela época, escreveu ainda mais claramente, em 1841:
“Marx odiava todos os deuses, odiava qualquer conceito de Deus e desejava ser o homem que iria expulsar Deus”.

Era Karl Marx um satanista? Richard Wurmbrand, p. 09, Ed. Missão Editora Evangélica

DESCONSTRUINDO MARX PART III

AS BASES DO PENSAMENTO DE MARX

“O Estado é o todo perfeito, e o indivíduo, ou cidadão, apenas uma peça dessa totalidade.” (Hegel)

Levando em consideração, o momento histórico de evolução no mundo do trabalho, na intelectualidade e no esforço de experimentar ou adaptar as teorias dos iluministas do século XVI, XVII e XVIII, Marx aparece no cenário econômico e político do século XIX como um visionário que observa o mundo ao seu redor e sua problemática e crê na possibilidade de modificar e criar uma sociedade justa e igualitária.
Temos conhecimento que Marx não estava sozinho, co-existiam no mesmo cenário, outros pensadores, filósofos, economistas buscando desenvolver e solucionar várias equações que surgiam na evolução da sociedade capitalista numa velocidade naquele momento tão rápida quanto nos dias atuais, respeitando as devidas proporções tecnológicas.
Para significativa corrente do pensar filosófico, o marxismo não passa de uma filodoxia, e o seu criador, não propriamente um filósofo em busca da verdade, mas mero filodoxo, na expressão de Kant (1724-1804), um sujeito que enfrenta os problemas de natureza filosófica sem nenhuma intenção real de resolvê-los.
Seu pensamento era nutrido de uma arrogância a ponto de querer substituir a filosofia pela critica materialista. Um exemplo típico da mistificação de Marx encontra-se na sua tese de nº 11 sobre Fauerbach (1804-1872), em que dá conta de que "os filósofos se limitaram a interpretar o mundo; trata-se, porém de transformá-lo" - afirmação que, encerrando a mística do processo revolucionário como agente transformador da realidade, só consolida a visão da história crítica como substituta da filosofia - o que significa, em última análise, decretar a morte da própria filosofia.
Marx, enquanto pensador ou ativista intelectual, pouco ou em nada se voltou para a investigação metódica do fundamento do ser e do espírito das coisas - objetivo primordial da indagação filosófica -, limitando-se a construir uma obra substancialmente crítica, de feição materialista, toda ela imbricada no questionamento às vezes confuso - mas sempre virulento - do pensamento alheio.
O pensar de Marx depende virtualmente do que ele leu, perverteu ou adaptou do pensamento dos outros, a começar por Demócrito (460-370 a.C.) e Epicuro (341-270 a.C.), na sua tese ateísta de doutoramento em Jena, em 1841, passando por Hegel (1770-1831) e o próprio Fauerbach, ainda no campo filosófico, além de Rousseau (1712-1778), Saint-Simon (1760-1825), Fourier (1772-1837) e Proudhon (1809-1865), entre os reformistas sociais franceses, até chegar aos economistas clássicos ingleses Adam Smith (1723-1790), Mill (1773-1836) e, sobretudo Ricardo (1772-1823), cuja concepção da teoria do valor-trabalho, mais tarde destroçada pelo austríaco Bohm-Bawerk (1851-1914), serviu de modelo para Marx - aqui também escorado no "erro de conta" de Proudhon - extrair sua célebre mais-valia e acirrar os ânimos da luta de classes, idéia, por sua vez, a ser creditada ao falangista Blanqui (1805-1881), francês considerado inventor da barricada e autor da expressão "ditadura do proletariado".
A apropriação indébita permanente de Marx tem como fonte básica Friedrich Hegel, filósofo especulativo alemão, autor da complexa "Fenomenologia do Espírito" (Nova Cultural, SP, 2000), que definiu, no dizer acadêmico de Merquior ("Marxismo Ocidental", Nova Fronteira, 1986), "o Absoluto como um Espírito ultra-histórico", associando a ontologia (teoria do ser) com filosofia da história (reflexão sobre o pensamento histórico), procurando, via intermediação dialética, a unidade entre o finito e o infinito para assim chegar ao eterno como fundamento do transitório - e vice-versa. Hegel enxergava no movimento pendular entre as forças da imediação e da mediação (que classifica de "negativas" ou de "auto-alienação") o caminho que conduz ao desenvolvimento do Espírito absoluto, este entendido como realidade única e total.
Neste momento, enquanto o filosofo alemão, Arthur Schopenhauer (1788-1860) considerava Hegel, um charlatão ordinário, Marx bebia avidamente na fonte hegeliana para formatar seu pensamento e formular suas teorias.
O sistema interpretativo do mundo na visão hegeliana, leva Marx nas suas teorias a substituir "povos" por "classes", matar a charada da progressividade da história. Na sua cabeça, se a história é um "processo" irreversível e ascendente, torna-se evidente a superação da burguesia pelo proletariado - do mesmo modo que a burguesia suplantara o feudalismo.
Uma observação importante na analise da formação do pensamento de Marx é que, tanto Hegel quanto Marx fazem uso da dialética em causa própria. Um e outro, no momento oportuno, congelam a dinâmica ascendente do sistema para fazer pontificar suas pessoais interpretações.
Assim como Marx, que congelaria o operariado como classe única entre as classes após o "devir" do banho de sangue revolucionário, Hegel, a despeito do movimento dialético, elegeu o seu próprio sistema filosófico como ponto final do desenvolvimento do pensamento e, o que é pior - conforme deixa entrevisto na "Filosofia da História" (Nova Cultural, SP, 2000) -, projetou na monarquia representativa prussiana o modelo acabado do desenvolvimento político-social – mistifório.
O que Marx entendia sobre economia era quando era cobrado pelos credores e de imediato solicitava dinheiro ao pai para quitação/protelamento dos mesmos. Foi Friedrich Engels (1820-1895), parceiro, provedor e filho de rico industrial alemão do ramo têxtil, que o induziu à leitura dos economistas clássicos ingleses, em especial de David Ricardo.
As várias contribuições de Ricardo à economia política dizem respeito, fundamentalmente, à criação das leis de associação e das vantagens comparativas e, na distinção entre custo e valor produzido pelo trabalho, à elaboração da célebre teoria do valor-trabalho, uma tentativa racional de se calcular o valor (preço) das mercadorias e dos salários.
Mas foi especialmente na teoria do valor-trabalho de Ricardo que Marx buscou fundamento para elaborar a sua insustentável mais-valia. O valor de uma mercadoria - diz Ricardo - é determinado pela quantidade de trabalho nela incorporado. Já o preço da mão-de-obra é determinado pela quantidade de capital disponível para o pagamento dos salários e pela dimensão da força de trabalho - o resíduo é o lucro. Não pode haver aumento no valor do trabalho sem uma queda nos lucros – afirmou o economista inglês.
O anarquista francês Joseph-Pierre Proudhon (com quem Marx travará mais tarde renhida polêmica), analisando em "O Que é a Propriedade?" (Paris, 1840) a relação entre capital e trabalho descobre "um erro de conta proposital e constante" na composição do salário do trabalhador, que, assegura, "nada mais é do que uma apropriação da força coletiva do trabalho" pelo capitalista. Em obra posterior, "Sistema de Contradições Econômicas" (Paris, 1846), Proudhon trata das questões dos valores econômicos e da divisão do trabalho e procura demonstrar as falhas, a um só tempo, da economia política clássica e da falsa visão econômica do coletivismo socialista. No tocante a Marx, que considera um reles plagiário, Proudhon entende que o ódio deste por ele nasce do fato de ter "dito tudo antes dele".
O pensamento transformador e revolucionário de Marx deixou na sua trajetória uma imagem raivosa e rancorosa diante de outros teóricos de sua época, que também pensavam em mudanças, mas analisavam e teorizavam de forma oposta a que Marx nos seus devaneios utópicos, radicais e totalitários pensava em como transformar o mundo para melhor.
Marx se propunha não só a exercer alguma influência sobre os destinos do mundo, mas transformá-lo - o que em sua linguagem revolucionária significava, antes, destruí-lo. Desse modo, tal como partiu anteriormente para liquidar com a filosofia, Marx atirou-se contra o mundo da economia burguesa, com ênfase na demolição da propriedade privada e do sistema capitalista de produção.
Para atuar na esfera diretamente política, o passo que deu a seguir - ou paralelamente - foi o de se instrumentalizar nas palavras de ordem do ideário político dos reformistas sociais franceses e, com mais empenho, nas cantilenas igualitaristas de Rousseau, Saint-Simon, Fourier e Proudhon. Foram muitas as idealizações dos reformistas sociais franceses do século 18 e 19, mas pelo menos duas delas ganham destaque e unem todos eles, a saber: 1) a predominância da igualdade completa entre os homens, e 2) a construção de uma sociedade modelar justa e livre.
É sabido que Marx, enquanto leitor e teórico estimava o apelo dessas idéias e que freqüentemente recorria a todas elas, em especial às projeções de Rousseau, Saint-Simon.
O "Contrato Social" de Rousseau é um somatório de regras administrativas para se chegar à sociedade civil perfeita. Com ele, o pensador iluminista pretende transformar a sociedade existente, considerada injusta, numa nova sociedade perfeitamente igualitária composta por "homens novos". Para construir a sociedade ideal, julgam necessário de início que se ame as leis criadas a partir de uma vontade coletiva; estas, por sua vez, coordenadas por elite política sábia, a quem todos se obrigam a obedecer por contrato.
Foi paradoxalmente no anarquista Proudhon - tanto o teórico socialista voltado para a crítica da economia quanto no ativista e organizador político - que Marx encontrou respaldo para suas formulações teóricas. Proudhon não era, simplesmente, um fabricante de sonhos ou um idealizador de sociedades fantásticas. Embora considerado um dos fundadores da sociologia, ele desempenhou, de fato, papel importante na organização de associações e movimentos operários franceses, sendo reconhecida sua atuação na revolução de 1848, além da influência, depois de morto, por força de suas idéias e ação dos seguidores, na Comuna de Paris de 1871 - desempenho este, por motivos óbvios, sonegado perversamente por Marx nas reportagens que formam "As Lutas de Classes na França" e "Guerra Civil na França" (ambos da Global, São Paulo, 1986).
Os métodos de Proudhon na atuação política contrastavam fundamentalmente com os de Marx, e ele soube, como nenhum outro, conduzir a classe operária francesa à posição de destaque no cenário internacional. A um só tempo, Proudhon reconhecia as vantagens da descentralização governamental, operava na criação de instituições financeiras de crédito popular (mutualismo), apontava para o imperativo da autogestão em face das organizações estatais e burocráticas de controle social e, a partir da aplicação da justiça à economia política, teorizava sobre a necessidade de uma democracia operária em oposição à ditadura do proletariado. Marx, para reiterar o óbvio, acompanhou todos os seus passos e tinha no confronto com ele e um seu aliado, Mikhail Bakunin (1814-1876), a razão de ser de sua existência política e teórica.
Marx tentou aliciar Proudhon, por carta, convidando-o a integrar a corriola do Comitê Comunista de Correspondência, base da futura Liga Comunista (sediada em Bruxelas). Mas na carta, em que pese elogiar Proudhon, o "Doutor do Terror Vermelho" não consegue disfarçar o caráter virulento e ataca um discípulo deste, Karl Grun (inventor de mais um tipo de socialismo - o "socialismo verdadeiro"), a quem considera um tipo suspeito. Proudhon não apenas recusa o convite, como defende Grun e adverte Marx quanto ao caráter violento e nocivo do seu dogma revolucionário.
A leitura anotada de vários livros, entre eles os de Marx, poderá levar o leitor a conclusões semelhantes ou parecidas. Na prática, a teoria que envolve o "socialismo científico" de Marx mostrou-se tão pouco científica como qualquer outra e - o que já é lugar comum afirmar - suas "leis", "tendências" ou "previsões" históricas jamais se cumpriram sequer remotamente. Superado o ciclo do historicismo determinista, e com ele as irrealistas projeções econômicas, os próprios membros da seita trataram de enfiar a viola no saco e partir para a institucionalização da "crítica cultural", elegendo o infinito conceito da "alienação" como novo objeto de culto. São, por assim dizer, as sanguessugas de Marx, repetindo em bloco o mesmo que o "mestre" fez com Hegel, Fauerbach, Proudhon e tantos outros

DESCONSTRUINDO MARX PART II

Inicio este artigo expondo uma breve cronologia biográfica do pensador Karl Marx, que me deterei nos aspectos jurídicos, econômicos e políticos de seu pensamento no desenrolar deste trabalho.
Karl Heinrich Marx, alemão/judeu, nasceu em Trier – Alemanha a cinco de maio de 1818. Estudou direito nas universidades de Boon e Berlim, mas sempre demonstrando um forte interesse por história e filosofia. Ainda na juventude atuou como jornalista em Colônia/Alemanha, também participando de um grupo de jovens que tinha uma forte influência pelo pensamento do filósofo alemão Hegel.
Seu interesse e familiaridade pelos problemas econômicas que ocorriam em varias nações européias surgem enquanto atuava no jornalismo.
Após o casamento com uma amiga de infância (Jenny Von Westplalen), foi morar em Paris, onde lançou os "Anais Franco-Alemães", órgão principal dos hegelianos de esquerda. Foi em Paris que Marx conheceu Friedrich Engels, com o qual manteve amizade por toda a vida.
Na capital francesa, redigiu "Contribuição à crítica da filosofia do direito de Hegel". Depois, contra os adeptos da teoria hegeliana, escreveu, com Engels, "A Sagrada Família", "Ideologia alemã" (texto publicado após a sua morte).
Depois de Paris, Marx morou em Bruxelas. Na capital da Bélgica, intensificou os contatos com operários e participou de organizações clandestinas. Em 1848, Marx e Engels publicaram o "Manifesto do Partido Comunista", o primeiro esboço da teoria revolucionária.
Foi expulso da Bélgica e voltou a morar em Colônia, onde lançou a "Nova Gazeta Renana", jornal onde escreveu muitos artigos favoráveis aos operários.
Expulso da Alemanha foi morar refugiado em Londres. Foi na capital inglesa que Karl Marx intensificou os seus estudos de economia e de história e passou a escrever artigos para jornais dos Estados Unidos sobre política exterior. Em 1864, foi co-fundador da "Associação Internacional dos Operários", que mais tarde receberia o nome de 1ª Internacional. Três anos mais tarde, publica o primeiro volume da obra, "O Capital".
Depois, enquanto continuava trabalhando no livro que o tornaria conhecido em todo o mundo, Karl Marx participou ativamente da definição dos programas de partidos operários alemães.
O segundo e o terceiro volumes do livro foram publicados por seu amigo Engels em 1885 e 1894.
Desiludido com as mortes de sua mulher (1881) e de sua filha Jenny (1883), Karl Marx morreu no dia 14 de março. Foi então que Engels reuniu toda a documentação deixada por Marx para atualizar "O Capital".
Apesar de sua primeira formação teórica ter sido o direito, a história, filosofia e a economia teve um papel relevante na construção de seu pensamento, sendo o direito uma ferramenta para a construção das regras de aplicação e fundamentação de sua teoria.
Embora praticamente ignorado pelos estudiosos acadêmicos de sua época, Karl Marx é um dos pensadores que mais influenciaram a história da humanidade. O conjunto de suas idéias sociais, econômicas e políticas transformaram as nações e criou blocos hegemônicos. Muitas de suas previsões ruíram com o tempo, mas o pensamento de Marx exerce enorme influência sobre a história.

DESCONSTRUINDO MARX - DE PESSOA A TEORIA PART I

ESTAREI POSTANDO O ARTIGO DESCONSTRUINDO MARX EM SEUS CAPITULOS, APÓS SUA PARTICIPAÇÃO E EDIÇÃO NOS ANAIS DO I CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO E MARXISMO.

O presente artigo tem por objetivo expor a imagem de Marx, tanto como pessoa, na sua trajetória como filósofo e economista, quanto mostrar, através de pesquisa, outras interpretações e análises de seu pensamento.
O primeiro capítulo trata da breve cronologia da vida de Marx, com as passagens mais importantes da vida pessoal e profissional.
No segundo capítulo é feita uma análise diferenciada das fontes originais de pesquisa de Marx para compor seu pensamento e suas teorias. Também tentamos informar e ao mesmo tempo, desconsertar a afirmação da originalidade de Marx em relação ao que teorizou.
O terceiro capítulo visa mostrar de forma informativa que a bondade humana de Marx é extremamente questionável diante do pensamento religioso que permeou sua vida.
O quarto capítulo tem por objetivo expor o projeto de Marx numa ótica interpretativa imparcial e que se contradiz com os ditames ideológicos divulgados ao longo do tempo.
O quinto capítulo, não se detém a questões obvias da sua teoria como a mais valia e as diferenças entre socialismo e capitalismo, mas uma análise investigativa de elementos que compuseram seu pensamento econômico.
O ultimo capitulo explanamos a importância do Aparelho do Estado para a concretização da teoria, que de tão complexa, ampla e até certo ponto contraditória, deixa claro que sem o aparelho ideológico funcionando em consonância, a teoria seria impraticável de forma natural.
Em cada capítulo uma faceta de Marx é desconstruída, desmistificada à luz das fontes históricas que sim foram deletadas, forjadas e manipuladas para que a verdade não maculasse a realidade pretendida. Tudo em nome do partido, com o partido e tão somente pela manutenção do poder.

Dinheiro para merenda escolar é desviado para alimentar cachorros de madames

Dezesseis pessoas, entre elas quatro primeiras-damas, foram presas pela Polícia Federal por desviar R$ 8 milhões da merenda escolar do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) - em 13 licitações, nos anos de 2007 e 2009 - para pagamento de despesas pessoais, como caixas de vinho, ração para cachorro, uísque doze anos, feiras e uma boneca.

Criminosos como estes continuarão a ser eleitos se o voto em lista for aprovado. O povo não terá mais condições de fazer uma limpeza na classe política do Brasil.

Enquanto nos preocupamos com as declarações de Jair Bolsonaro, etc. nossos políticos sem nenhum escrúpulo ou sentido de ética e de moral continuam roubando descaradamente.

Até recursos destinados a alimentar crianças carentes nas escolas públicas de péssima qualidade no Brasil são desviados para compra de ração de cachorros de madames.

A cada dia ficamos mais perto de cair no abismo da ditadura.

Depois da campanha das Diretas Já, o PT mostra suas garras e propõe uma reforma política onde até vereadores serão indicados pelos partidos e não serão democráticamente eleitos.

O povo não pode de forma alguma permitir que isto aconteça

quarta-feira, 30 de março de 2011

A injustiça da justiça social


Recorrentemente, ocorre algo que resume perfeitamente a ideia por trás disso que chamam de "justiça social". De todas as formidáveis críticas que seus detratores já escreveram sobre esse ignóbil conceito, nenhuma é páreo para a elegante simplicidade de um recente trabalho feito justamente pelos defensores da "justiça social". Refiro-me aqui a um recente vídeo feito para o Dia Mundial da Justiça Social[1], no qual alunos e professores tinham de completar a seguinte frase:
Todo mundo tem o direito a(o) ___________
O vídeo é uma pitoresca montagem de vários possíveis complementos para essa frase, tendo uma agradável e convencional música como pano de fundo. Ele mostra alunos e professores completando a frase acima, mostrando suas respostas escritas em suas mãos, braços e pés. As pessoas no vídeo dão respostas que abrangem todos os tipos de coisas desejáveis, desde conhecimento, amor, justiça, compaixão e verdade até educação, saúde, comida, água limpa, nutrição, sapatos, dançar, rock and roll e até mesmo pirulitos e sorvete. Veja o vídeo.
Algumas dessas demandas, se interpretadas muito caridosamente, podem ser interpretadas como genuínos direitos, porém a maioria é totalmente extravagante, como os supostos direitos a sorvete e rock and roll. Ademais, o peso das demandas desse último tipo torna a mensagem do vídeo bem clara: tudo que é desejável é um direito. Quer mais comida? É um direito. Quer melhores serviços de saúde? Também é um direito. Quer ter conhecimento e compaixão? São direitos também. Quer amor, dançar, cuidados pré-natais e pirulitos? Direitos, direitos, direitos, direitos.
Embora sucinto e simples, o vídeo demonstra perfeitamente a vigente postura em relação a direitos que impregna as atuais discussões políticas, particularmente entre os defensores da "justiça social". Para tais pessoas, a noção de "direitos" é um mero termo para merecimentos e benefícios, indicando que a pessoa pode e deve exigir o acesso gratuito a qualquer bem que lhe seja desejável, não importa o quão importante ou trivial, abstrato ou tangível, recente ou antigo ele seja. Trata-se meramente de uma afirmação de desejo, e uma declaração da intenção de utilizar a linguagem dos direitos para se obter tal desejo.
Com efeito, dado que o programa da justiça social inevitavelmente envolve a exigência do fornecimento de bens pelo governo, tudo pago por meio dos esforços de terceiros, o termo na verdade se refere à intenção de se utilizar a força para se realizar os próprios desejos. O termo não é utilizado para enfatizar que as pessoas devem ganhar merecidamente os bens desejados, por meio da ação e do pensamento racional, da produção e das trocas voluntárias, mas sim para enfatizar que se pode confiscar violentamente os bens daqueles que podem ofertá-los.
Trata-se de uma noção irremediavelmente espúria a respeito do que são direitos. Um direito genuíno é uma prerrogativa moral oriunda da aplicação de uma filosofia moral à natureza do homem. O termo é um termo filosófico que indica um princípio moral genuíno, um princípio que deve ser deduzido objetivamente de um exame da natureza da moralidade e da natureza do homem. Direitos não são meras construções subjetivas, como são frequentemente tratados. Ao contrário, direitos são princípios objetivos validados por uma filosofia moral (em particular, por uma filosofia política, que é o sub-ramo de uma filosofia moral que lida com a moralidade do uso da força).
Um indivíduo possui o direito a algum bem específico - em oposição a um mero desejo por esse bem - apenas caso ele possua uma genuína prerrogativa moral que o permita ter tal bem. Tal atitude deve necessariamente ser acompanhada do fato de que outros indivíduos devem correspondentemente ser moralmente proibidos de impedir que o proprietário desse bem possua tal bem. O direito não pode existir em um vácuo, hermeticamente isolado de outros direitos. Assim, dizer que uma pessoa tem direitos de propriedade (uma notável omissão do vídeo) não é uma mera afirmação de um simples desejo por algo útil. Trata-se de uma afirmação de que é moralmente certo que um indivíduo controle sua própria propriedade, e moralmente errado que outros interfiram nesse controle. Direitos referem-se ao que é realmente direito - isto é, ao que é moralmente certo.
Direitos genuínos existem como verdades eternas de uma filosofia moral. Eles são princípios que se mantêm verdadeiros independentemente de sua época ou lugar, independente do estado das atuais intervenções. Logo, não pode existir algo como o direito a sapatos, sorvete ou rock and roll, coisas que já estiveram totalmente ausentes da invenção humana. Ter uma visão contrária a essa significa reduzir os direitos a uma simples lista de compras abrangendo as últimas engenhocas e quinquilharias inventadas.
Como os críticos da justiça social sempre foram obrigados a apontar ad nauseam, alguém afirmar que tem direito a algum bem ou serviço tangível, como água limpa, serviços de saúde, educação, cuidados pré-natais ou sorvete, significa que uma outra pessoa tem a obrigação de ofertar o bem ou serviço em questão. Significa afirmar a prerrogativa moral de obrigar outros a suprir seus desejos, à custa dos esforços deles. Quando em conjunto com um apelo ao governo para que este forneça os bens ou serviços (como é toda a intenção), tal postura significa afirmar a prerrogativa moral de utilizar a força para se realizar os próprios desejos - obrigar os outros a dar para você o sorvete deles, a água limpa deles, as habilidades médicas deles e por aí vai. É o mesmo princípio seguido pelo ladrão, pelo estuprador e por outros malfeitores, os quais encaram seus desejos como uma razão para se imporem violentamente sobre terceiros.
A propaganda da "justiça social" funciona bem porque sabe como ocultar desejos sob a linguagem de direitos, ao mesmo tempo em que se esforça para evitar qualquer menção desconfortável a como esses desejos devem ser supridos. Assim, vemos no vídeo a afirmação do direito à "educação gratuita". Não vemos ali a afirmação, que seria bem mais honesta, do direito a "forçosamente confiscar o dinheiro dos outros para pagar pela própria e custosa educação". Não, é a educação "gratuita" que é declarada como sendo um direito. Mas que educação gratuita é essa? Gratuita para quem?
Em uma sociedade racional, com um adequado entendimento sobre a natureza dos direitos, a afirmação de que há uma prerrogativa moral a coisas como educação livre, serviços de saúde ou à oferta de sorvetes, seria vista como o que realmente é: uma constrangedora reductio ad absurdum. Manifestações em que jovens afirmam seus direitos de maneira vacilante, sem qualquer consideração aparente com a questão sobre de onde viriam seus desejados bens, poderiam ser consideradas como apenas um divertido exemplo da ingenuidade e dos ideais tortos da juventude. Porém, na cultura sentimental e piegas da atualidade, tais manifestações são na verdade feitas pelos defensores da "justiça social" como uma expressão de seus próprios ideais.
Alguns podem discordar dessa minha caracterização dizendo que vários dos direitos afirmados no vídeo supostamente tinham a intenção de ser irônicos. Ninguém diria seriamente que há um direito a sorvete ou a rock and roll - eles estão apenas fazendo graça, se divertindo! Ei, relaxe!
Mas eis aí o problema com essa visão: afirmar que há um direito a sorvete ou a rock and roll não é uma postura mais ingênua ou tola do que afirmar que há um direito a serviços de saúde ou a educação "gratuita". Ambos são exemplos de uma demanda por bens ou serviços que são ofertados pelos esforços de terceiros - e da elevação desse desejo à condição de direitos. Os primeiros são uma reductio ad absurdum dos últimos exatamente porque ambos os tipos de exigências partem da mesma abordagem filosófica do que são direitos - eles são diferentes apenas no grau, mas não no tipo.
Essa confusão entre desejo e direito, infelizmente, é predominante nos debates da atualidade. Trata-se de um erro perfeitamente compreensível, dado o nível da educação e do debate público da atualidade. A maioria dos jovens em idade universitária ainda não foi apresentada a um sério argumento filosófico sobre a natureza dos direitos. Assim, todo seu conhecimento a respeito desse conceito advém daquilo que ouvem de grupos de pressão em busca de boquinhas no sistema político e da demagogia de políticos. Sua afirmação de que há um direito a sorvetes é ridícula, porém não menos filosoficamente defensável do que milhares de outras afirmações de direitos feitas diariamente em jornais e nas tribunas das legislaturas em todo o mundo.
O que é notável nesse caso não são os erros conceituais cometidos pelos jovens do vídeo, muitos dos quais provavelmente nunca chegaram perto de qualquer estudo sério sobre a natureza dos direitos. O que é notável é que a óbvia reductio ad absurdum demonstrada no vídeo é de fato adotada por respeitados grupos defensores da justiça social e orgulhosamente propagandeada por eles como um apoio à sua filosofia. Torna-se claro, sob essas circunstâncias, que estamos lidando com movimentos intelectualmente falidos.




Nota:

[1] GlobeMed, "GlobeMed at Rhodes College's Photo Project for the World Day of Social Justice" (20 de fevereiro de 2011). Um vídeo similar pode ser visto aqui.

Ben O'Neill é professor de estatística na Univesidade New South Wales, em Canberra, Austrália. Já foi também advogado e conselheiro político. Atualmente é membro do Independent Institute, onde ganhou em 2009 o prêmio Sir John Templeton de competição de ensaios.

A ONDA



Rodrigo Constantino

Após ler o
ótimo texto de Bruno Garschagen no OrdemLivre.org, sobre a sedução do poder, segui sua dica e aluguei o filme "A Onda" (2008) para assistir. Excelente filme! Recomendo a todos. O mais impressionante, em minha opinião, não é nem o fato de o poder corromper, mas sim a atração que a sensação de pertencer a um grupo coeso desperta nas pessoas, especialmente nos mais ressentidos.

A menina que não tinha namorados e sentia forte inveja da outra, mais independente e namorando o garoto popular da escola; o pobre garoto rejeitado, excluído do grupo, que parecia disposto a fazer qualquer coisa em troca de aceitação; esses são os tipos mais suscetíveis ao encanto das ideologias coletivistas, como o nazismo e o comunismo. Quando todos se vestem da mesma forma, se identificam com os mesmos gestos, marcham em ritmo único, então não há mais espaço para o indivíduo. E tudo aquilo que mais incomoda uma pessoa sem auto-estima é a diferença entre indivíduos. Ela a obriga a enxergar seus defeitos, sua covardia, sua inveja, bem diante do espelho.

O coletivismo vem oferecer "completude" a estes fracos, um sentido de "família" onde todos são iguais, uma tribo cujo líder assume o controle representando cada um dos membros, que podem então abrir mão da responsabilidade por suas vidas. Regimes e instituições totalitárias sacrificam, em primeiro lugar, justamente o indivíduo. Este é mortificado em nome do "bem geral". "Por que só ela pode ter um namorado legal e eu não?", eis o tipo de angústia que leva uma massa de ressentidos em direção aos regimes totalitários.

Nazismo e comunismo sempre lutaram pelo mesmo tipo de alma. A onda que varreu aquela sala de aula - o filme é baseado em fatos verídicos de uma experiência que ocorreu na Califórnia em 1967 - é a onda do coletivismo, que atende às demandas dos mais ressentidos e invejosos. Corram para as locadoras e aluguem este ótimo filme. Não vão se arrepender.

Lula, doutor honoris causa da Universidade de Coimbra?

Lula, doutor honoris causa da Universidade de Coimbra?

O "doutorado" de Lula em Coimbra custa U$ 20 milhões. Por ano.

Está explicado o verdadeiro motivo para homenagem feita ao "Doutor" Lula pela Universidade de Coimbra. 10% do alunado da prestigiosa universidade (apenas no Brasil) é composta por bolsistas brasileiros. Nem a Espanha, ali ao lado, manda tanto aluno para a UC. As bolsas são pagas pelo governo brasileiro. Ontem, 900 bolsistas brasileiros formaram uma barulhenta claque paga para aplaudir o doutoramento do iletrado. Juntos estes bolsistas recebem, por ano, da Capes, cerca de U$ 20 milhões para estudar lá fora. O quanto é pago para Coimbra não é conhecido, mas deve ser basicamente a mesma coisa. Quem não fala inglês, francês ou italiano, costuma buscar o canudo em dinossauros como Coimbra em Portugal, Lion na Espanha ou o Museo Argentino, no vizinho ao lado. O unico ônus é ter que, uma vez na vida  e outra na morte, aplaudir um Lula virando doutor. Mas, como diria o poeta português Fernando Pessoa, tudo vale a pena, se a bolsa , ops!, se a alma não é pequena.

I Congresso Internacional de Direito e Marxismo

Foi aberto oficialmente na manhã desta segunda-feira, dia 28, com um painel temático sobre "Direito e Economia" e a participação de representantes dos diversos setores da sociedade, o I Congresso Internacional de Direito e Marxismo. No domingo (27) houve a apresentação dos 65 trabalhos acadêmicos inscritos no evento.
Realizado numa parceria entre a UCS, a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade de Fortaleza (Unifor), o evento, com mais de mil inscritos, prossegue na tarde e noite de hoje e durante a terça-feira, dia 29.
Confira a programação.
O painel temático sobre "Direito e Economia" (foto à direita) teve como palestrantes os professores José Filomeno de Moraes Filho, da Universidade de Fortaleza; Michel Miaille, da Université de Montpellier I (França) e Adão Clóvis Martins dos Santos, da PUCRS. O professor Enzo Bello da Universidade Federal Fluminense (na mesa, o quarto à esquerda) coordenou o painel, que também contou com a participação da professora Maria Claudia Crespo Brauner, que colaborou com a tradução da fala do professor Michel.
Debate
Na abertura do encontro, o reitor Isidoro Zorzi, ao dar as boas-vindas aos congressistas, destacou a UCS como o local mais adequado para realização do congresso. "A Universidade é um lugar de pluralidade e valoriza a unidade na diversidade. Este é um congresso que proporciona o debate de ideias, pensamentos e ideologias, respeitando a pluralidade".

O congresso reúne alunos da graduação e pós-graduação, professores, pesquisadores, advogados e profissionais jurídicos de diversos estados brasileiros e do exterior, e visa discutir a obra de Karl Marx e a tradição teórica e política que se formou a partir da difusão de suas ideias.

Hospital N.Petropolis

Nova Petrópolis – O alvará sanitário do Hospital Nova Petrópolis, enfim, será liberado, porém, os serviços de mamografia estarão suspensos a partir desta sexta-feira, dia 1º de abril. O administrador da casa de saúde, Márcio Schumann dos Santos, afirma que não há irregularidades na ala; ela fechará por não ter projeto aprovado pela 5ª CRS

E por acaso, não ter projeto aprovado não é uma irregularidade para suspender o atendimento ao publico?
Prof. Marlon Adami e Prof. Dr.Oscar Correas Vasquez ( Univ Autonoma do Mexico)

Congresso Internacional de Direito e Marxismo II

Prof. Marlon Adami e Prof. Dr. Matheus Felipe de Castro (UFSC)

Congresso Internacional de Direito e Marxismo I

Prof. Marlon Adami (editor do blog) domingo 27/03 quando da apresentação do artigo "Desconstruindo Marx"

sexta-feira, 25 de março de 2011

PROF. MARLON ADAMI - DESCONSTRUINDO MARX

I SEMINARIO INTERNACIONAL DE DIREITO E MARXISMO

 
 
A realização do I Congresso Internacional de Direito e Marxismo é uma parceria entre a Universidade de Caxias do Sul (UCS), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade de Fortaleza (UNIFOR) e está dividido em cinco eixos temáticos, estabelecidos a partir dos critérios de aderência com as linhas de pesquisa dos cursos de graduação e dos programas de pós-graduação das instituições realizadoras e da afinidade com o projeto teórico e político desenvolvido por Karl Marx, adotando-se os seguintes títulos: Direito e Economia Direito e Democracia Teoria da Constituição Teoria da Justiça Meio Ambiente. O evento admitirá a submissão de trabalhos científicos em consonância com os eixos temáticos (ET). 
O evento que ocorrerá entre os dias 27 e 29 de março de 2011, visa a proporcionar a difusão - entre alunos da graduação e pós-graduação, professores, pesquisadores, advogados e profissionais jurídicos em geral – da obra de Karl Marx e da tradição teórica e política que se formou em sua esteira, com a promoção de palestras, oficinas e produções bibliográficas no campo do marxismo, voltadas à temática do Direito Constitucional contemporâneo.
 Na submissão de trabalhos, o prof. Marlon Adami (editor do Blog), teve seu artigo "Desconstruindo Marx", aprovado pela comissão onde no proximo dia 27/03 as 16 hs no bloco 58 UCS/Caxias, fará sua apresentação e posterior ao evento tendo o artigo editado.
Com este trabalho e iniciativa o autor coloca Nova Petropolis no cenario acadêmico internacional, onde o municipio agora contará alem do turismo com uma referencia na pesquisa acadêmica

AUTUMN SET MIX - DJ MARLON


Para download click acima

Motivos errados para fazer coisas erradas