Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

sábado, 19 de novembro de 2011

Marx, Lenin, Gramsci? Quem é o ideólogo das esquerdas de USPício?


 

As teias da epidemia de esquerdopatia se alastram e chegam à USP
A febre de esquerdismo (doença infantil, segundo Lenin) recentemente reagudizada na USP já jogou a máxima representação estudantil da universidade no chão, babando e se debatendo freneticamente em horrendas convulsões antidemocráticas.

Na busca por remédios curativos e paliativos adequados para esse extemporâneo ataque convulsivo causado por alguma variedade malsã de febre esquerdista, convém que seja encontrado seu fator desencadeante, ou seja, de onde procede o pernicioso inóculo ideológico que circula no organismo do DCE uspiano. Terá ele vindo de Marx e Engels? Terá vindo de
Frankfurt?

Ora, que nada! Para que se pudesse acertadamente supor alguma das mencionadas origens, teria-se que partir da premissa de que no pirogênico abscesso esquerdista coalhado de
incendiários milicianos universitários houvesse pendor generalizado para o estudo das obras dos pensadores marxistas, o que não é possível, dado o desprezo pelo saber existente entre os patogênicos elementos revolucionários à solta na USP. Assim sendo, o inóculo ideológico causador da ruptura da homeostase institucional da universidade só pode ter vindo de alguma fonte mais primitiva, de menor requinte intelectual. Algo mais distante dos filósofos e sociólogos, e mais próximo das subcelebridades vulgares dos mass media.
Apesar de ser palhaço, o Tiririca se envergonha das palhaçadas esquerdofrênicas na USP
Que ninguém suspeite do palhaço Tiririca! Tendo em mente que é o incendiário PSOL que hoje manda no DCE da USP, nada mais apropriado que desconfiar de uma de suas mais conhecidas figuras da atualidade, o ex-BBB e deputado Jean Wyllys. É ele que ensinou aos seus pupilos uspianos que a vontade da maioria só é correta e deve prevalecer quando está de acordo com o que eles pensam. Eis a prova cabal:

Embora não muio interessados em absorver o conhecimento de seus mestres, os militantes (e as moças, militANTAS?) psolistas uspianos assimilaram muito bem os ensinamentos deste produto da alienação burguesa dos enlatados globais que atende pelo porcamente americanizado nome de Jean Wyllys. Caso os padawans do ex-BBB prevaleçam hoje no DCE, e amanhã nas cátedras universitárias e nos ministérios, qual será o futuro do Brasil? A julgar pelo histórico da esquerda no poder, terá muito crepitar de labaredas, mas não será nada luminoso. Assim sendo, é bom torcer para que o País tenha algum fiapo de DNA de fênix escondido. Oremus. A cura para o mal da USP, se vier a tempo, passa necessariamente pela prece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário