Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Denise Abreu na ALESP com pré-candidatos do PEN51, em 26/02/2014

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Rafael Brasil: Os lados da História - PERCIVAL PUGGINA ZERO HORA ...

Rafael Brasil: Os lados da História - PERCIVAL PUGGINA ZERO HORA ...: Os lados da História - PERCIVAL PUGGINA ZERO HORA - 23/02 Aí está o pecado original de uma Comissão cujo símbolo deveria ser um Saci...

Cópia da estratégia dos governos derivados do foro de São Paulo (TRADUZIDO)


Passo a passo do neocomunismo - o socialismo do século XXI (os governos do Foro de São Paulo)


1) - ETAPA DE IMPLANTAÇÃO. POPULISMO

Esta etapa pode demorar um ou três presidências do mesmo partido ou coligação no poder ou até mesmo à esquerda. Dependem da aceitação popular implementação de cada um destes pontos , portanto, pode pular algumas ou acelerar o processo na segunda fase .

A) assistencialismo : aumento abonos de família para crianças, mulheres grávidas , planos de emergência , subsídios , etc . Objetivo: O plantio de votos para as próximas eleições .

B) Aumento do número de posições : Para cada novo emprego público são estimados 4 votos do grupo familiar.

C) Investimentos de capital privado abandonados : Os funcionários são absorvidos pelo sistema público. Objetivo : Semeadura de votos .

D ) Aumento dos salários e pensões (incluindo contribuições para a reforma sem precedente): Inicialmente, tem o prazer óbvio da classe trabalhadora e os sindicatos . Mais tarde, a espiral inflacionária que se inicia todos os aumentos da líquota.

E) Disparar para cima o aumento do custo de vida. Objetivo: Fidelizar os eleitores e semear novos votos.

F) Mídia : Através da publicidade oficial garante que os jornalistas terá apenas uma voz , atores, maestros e artistas dominantes. Obtendo a auto-censura . Conhecimento da realidade será inibida.

G) Forças armadas e de segurança: perseguição daqueles que lutaram na guerra contra a subversão 60/70 (Chile, Argentina, Uruguai, Bolívia). Mídia e acusação.

H ) Cultura : Campanhas midiáticas e instalações de matrizes de opiniões contrárias a personalidades opositoras.

I) Corrupção: Conhecimento público são dadas para atos funcionários corruptos de terceira ou quarta linha . Isto tem um duplo objetivo : O impacto social do governo não suporta a corrupção e , ao mesmo tempo , "alinear " por trás de tudo , que , temendo perseguição e parcelas armadas contra (resumos, julgamentos) da administração pública e agir com fidelidade ao governo. Isso, juntamente com funcionários de confiança ou políticos , incapazes de encontrar outro tipo de trabalho , eles fazem dos fatos de corrupção reduzidos a uma " pequena mesa " do governo , mas se estendia até valores estão em causa.

J) Discriminação e Direitos Humanos: O governo encontra um nicho de eleitores marginalizadas minorias ( indígenas, homossexuais , transexuais , etc) e legislar para eles. Objetivo: criação de grupos de defesa ideológicas para modelar e fidelizar os eleitores. A especulação é promovido com falsas acusações de discriminação no pessoal , trabalho, etc conflitos .

K) Revisão do passado : Evocação permanente das ditaduras militares do passado ou os governos "antidemocráticos" . Objetivo: Para recriar a imagem de um inimigo inexistente hoje, porém temida e instalar-se como a única opção para o governo.

L) Desvalorização de símbolos patrióticos : Mudanças de bandeiras, escudos, hinos.

M) Aumento exponencial da criminalidade comum : Crime é uma ferramenta essencial para a implementação do neo-comunismo. A violência assusta, neutraliza , atomizado , isolar e prender possíveis protestos de trabalhadores de classe média. Criminosos ganham as ruas .

N) Inclui o desarmamento da população civil . Ao mesmo tempo , a mesma delinquência será no futuro mão de obra barata para o narcotráfico.

O) Forças de Segurança: desmantelamento progressivo. Campanhas de difamação por suposta corrupção. Falta de equipamento e autoridade para realizar a tarefa no sentido e garantir os direitos humanos dos criminosos.

P) A impunidade dos atos criminosos : Juízes de primeira instância fortalecendo a impunidade . Instigação ao cometimento de crimes por parte de menores inimputáveis. Oposição : começa a fragmentar-se e alinhar atrás e ao lado das decisões. Não há referências.

Q) Igreja: Começar os confrontos com as autoridades da Igreja Católica .

R ) Ocupações fábricas e promotores inoperantes ou terras privadas. Como um prelúdio para desapropriação , o capital estrangeiro começa a deixar o país. Se paralisa totalmente o investimento.

S ) Perseguições da mídia a empresários nacionais. Nacionalização de empresas privadas. A classe média não é capaz de organizar em oposição.

T) Aumento das ONG `s de esquerda . Criação de redes transnacionais para assediar os opositores. Criação de grupos de choque . Usar como suporte a violência sem armas , no entanto, os promotores de modelos em atos políticos e atos públicos para neutralizar a oposição . Associação a certos setores e liderança de esportes e drogas.

U) Educação: Criação de novas universidades. Bolsas indiscriminada . Grupos ideologicamente de esquerda para sustentar o regime. Neste ponto, o nível de escolaridade será muito baixa em todos os níveis de escolaridade.

V ) Aumento de imposto de renda ou riqueza. Estes impostos alcançará trabalhadores com salários médios e média-baixa cujo fim confiscatório se aplica a " redistribuição da riqueza ", mas servem para manter e financiar o sistema.

W) O aumento do consumo de drogas e do tráfico. Novas pistas clandestinas . Aumento acidentes aéreos devido a sobrecarga. Nascimento de uma nova classe de ricos, crianças em sua maioria jovens com menos de 40 anos.

X) Censo habitacional . Seu objetivo é conhecer a quantidade de habitações desocupadas e as famílias com mais de uma habitação. Os dados são gravados para a terceira fase.

Y) A fragmentação do sindicato : Os líderes não alinhados com os dissidentes do regime emergentes são removidos para formar sindicatos dissidentes, sem o menor êxito.

Z) Quebrar o sistema de saúde : Os provedores de saúde privados não conseguem prestar serviços de qualidade em um ambiente de aumento da inflação e alto custo de salários e riscos ocupacionais. Eles serão quase obrigados a vender seus negócios com preços vis ou serão estatizados. Hospitais públicos estaduais serão setores inferiores, médio baixo , médio e médio alto , com o consequente colapso do sistema.

2)-CONSOLIDAÇÃO.

-Quebre a classe média. Tal como era o objetivo com as FFAA e as FFSS no primeiro passo , agora é a classe média.

- A desesperança , desamparo , a subversão da ordem estabelecida . O objetivo é destruí-la , melhor ainda, combiná-lo para baixo, ainda mais para baixo que a classe baixa.

-Estigmatizar , fazer culpado da pobreza dos outros , a ditadura militar , a discriminação , os maus-tratos dos criminosos , etc.

- Uma classe média atomizada , culpável , temerosa, inexperiente e confortável não pode lidar com esses regimes.

-Reforma Constitucional ( entronizar-se no poder) . Pode ou não ser necessário, dependerá das chances de outros candidatos "opositores" que até então terá quer estar alinhados com o regime ou deixaram a cena política.

- Aprovação de casamento gay.

- Aprovação do aborto.

-Lei de imprensa ou lei da mordaça .

-Lei de censura.

-Perseguição plena dos opositores : Guerra midiática e judicial.

- A “judicialização” de todos os conflitos : Política judicializada . O Poder Judiciário entra em colapso , tornando-se em funcionário do governo.

- Crime governa as ruas , total impunidade.

-Deterioração econômica: a espiral inflacionária começa rapidamente.

- Legalização da maconha: Legalização , a posse para consumo pessoal e plantio.

- Destruição moral e físico das Forças Armadas e de Segurança; oposições fragmentadas pode ganhar as eleições legislativas , mas não são capazes de gerar uma gestão eficaz e muito menos crescer em número de adeptos. São gerados " novos inimigos " de esquerda.

-Grupos de choque , agora armados começam a agir : Política, ideológica e operativa respondem ao governo atual, mas pelos meios de comunicação são conhecidos como "grupos que se opõem ao poder ultra- esquerda " . No futuro, eles vão formar milícias armadas.

-Divisão dos municípios, províncias ou departamentos : Promove a assembleia eleitoral , a criação de cargos e maior controle dos grupos locais de oposição.

-Perseguição de minorias católicas (lei de cultos). A sanção desta lei permite a perseguição de grupos católicos, evangélicos e cristãos de escolas espirituais de aberto.

- Criação de milícias armadas: Os grupos de choque citados acima, só presentes em atos do governo ou infiltrados em grupos de oposição, agora recebem instrução militar para substituir as forças armadas .

3) FASE FINAL DO NEOCONSUMISMO

-Expropriação.

-Criminosos políticos presos.

-Ataque a Igreja Católica.

-Regime eleitoral sob medida para o partido no poder.

-Eleições espúrias e uma inflação espiral.

Como eu ouvi dizer na internet "Se alguém defender um governo como o do Brasil, ou não sabe o que está acontecendo ou é pago para defender tal governo". Quem negará que os fenômenos históricos, conflitos sociais e agendas políticas não acontecem ou estão em andamentos e discussões no Brasil. Ou então se auto-enganar achando que não de movimentos espontâneos?

sábado, 22 de fevereiro de 2014

A Oposição e o Conservadorismo de Denise Abreu

Eric Carro

A pré-candidatura de Denise Abreu para a Presidência da República é uma manifestação de oposição ao governo federal, cuja base está estabelecida desde 2003. O caso da ex-diretora da Anac é mais um caso que pode ser enquadrado como assassinato de reputações. Trata-se de uma pré-candidata que conhece a agenda do governo petista e, por isso, é uma grande pedra no sapato para o governo Dilma Rousseff. Especula-se que Everaldo Pereira, do PSC, e Ronaldo Caiado, do DEM, possam ser candidatos à presidência. No entanto, o partido do pastor está com a imagem manchada devido ao deputado Marco Feliciano e dificilmente ganharia força. Ronaldo Caiado, deputado que mais se opõe ao governo Dilma, defensor dos direitos de propriedade e do agronégocio, que é o grande responsável pelo crescimento econômico do país na última década, não definiu qual cargo deseja disputar e encontraria dificuldades para lançar candidatura própria. Por outro lado, Denise Abreu é capaz de debater com Dilma Rousseff e realmente se opor à sua forma de governo. Sua oposição não se limitaria apenas em âmbito administrativo, mas no âmbito das ideias. Em entrevista para o músico e escritor Lobão, Denise se declarou defensora das “coisas permanentes” – expressão utilizada pela literato T.S. Eliot e pelo filósofo político Russell Kirk para designar tudo aquilo que merece ser preservado e passado para as próximas gerações -, demonstrando ser uma candidata conservadora. Os discursos liberal e conservador são praticamente nulos na política nacional. Ultimamente, apenas alguns deputados do antigo PFL – que mudou o nome para Democratas em 2007 para não ser identificado como partido liberal, demonstrando como esse nome se tornou obscuro em nossa nação “progressista” – discursaram em defesa do livre mercado no Congresso Nacional. 

O conservadorismo é, em tese, defendido por alguns membros do PSC e do PP. Porém, nota-se mais uma manifestação de “reacionarismo” que a postura reativa e prudente do conservador que encontramos mundo afora – principalmente no Reino Unido e nos Estados Unidos – por parte desses congressistas. Jair Bolsonaro é mais um defensor do controle de natalidade, do voto obrigatório e da reestatização de empresas que um defensor das “coisas permanentes” e da economia de mercado. 

Tendo em vista a situação em que a direita brasileira se encontra, totalmente obscurecido pelo meio acadêmico e pela grande mídia, qualquer candidato que defenda valores conservadores ou liberais é satisfatório. Nos Estados Unidos, até a década de 1950, os grupos que compõe o atual movimento conservador, representado majoritariamente pelo Partido Republicano, eram dispersos. Após a publicação de “The Conservative Mind”, por Russell Kirk, em 1953 e a criação da revista National Review, por William F. Buckley Jr., em 1955, facções adeptas às mais divergentes ideias se uniram com uma única finalidade: vencer o comunismo, uma doutrina armada. 

Dizer-se de direita é visto com péssimos olhos. Na era do relativismo moral, o bullying esquerdista nunca foi tão poderoso. Deste modo, poucos evitam tal rótulo. Às vezes, aceita-se o rótulo de liberal, posto que a palavra é ligada a liberdade, e todos esquerdistas gostam de “liberdade” – para realizar abortos, claro. Pois liberdade para portar armas de fogo e proteger sua família, educar os filhos, comer e beber o que deseja e se expressar sem censuras politicamente corretas é coisa de “extremista”. 

Porém, a partir do momento que você começa a defender a liberdade econômica, é visto com maus olhos. Ou você “abre sua mente” para as ideias do lado oposto, ou você é rotulado de neoliberal explorador dos fracos e oprimidos, ainda que demonstre como a economia de mercado reduziu a pobreza ao redor do mundo. Não importa se o Chile está em sétimo lugar no índice de liberdade econômica da Heritage Foundation e o Brasil em centésimo décimo quarto, sendo aquele país mais próspero que o nosso. Mostrar a verdade não basta. Afinal, verdade é um “conceito burguês”. 

Dizer-se conservador então? “Mas que palavra obscena! Lave essa língua, pois isso que você disse é muito feio.” A carga das palavras sempre foi enorme, e devemos tomar cuidado ao utilizá-las. No entanto, a censura politicamente correta tornou uma palavra que é utilizada normalmente em vários países do Ocidente em um palavrão. 

A grande incógnita é o partido da pré-candidata Denise: o PEN, Partido Ecológico Nacional, não seria um partido de esquerda? Já não há o PV? Não são as mesmas ideias? Conforme a própria Denise, em entrevista para Lobão, o partido visa defender a sustentabilidade do ser humano. É lugar-comum relacionar o conservadorismo e a direita com a negligência e a devastação ambiental. Afinal, foi através dessa bandeira que Al Gore lançou “Uma Verdade Inconveniente” – que já está sendo contestado, com fatos, há bastante tempo. O filósofo, escritor e jornalista Roger Scruton resume as características do atual movimento ambientalista: “Há uma classe de vítimas (as gerações futuras), uma vanguarda iluminada que luta por elas (os guerreiros ecológicos), burgueses poderosos que os exploram (os capitalistas) e oportunidades infindáveis de expressar ressentimento contra o sucesso, a riqueza e o Ocidente”. 

Porém, para Scruton, os ambientalistas deviam se opor mais ao socialismo que ao capitalismo: os projetos estatais dos países socialistas eram os que mais desrespeitavam o meio ambiente. Tais projetos foram uma característica marcante do Leste Europeu. O motivo é simples: o que o Estado determina é imposto de cima para baixo. 

O ambientalismo autêntico deveria defender o contrato entre os mortos, os vivos, e os que ainda não nasceram – a responsabilidade para com as gerações futuras. Tal parceria certamente é uma ideia conservadora, e pode muito bem ser defendida por conservadores e por defensores da economia de mercado. 

Grande parte dos problemas ambientais são causados pelo apoio estatal a projetos antiecológicos de planejamento urbano, que estimulam a poluição , o emprego de combustíveis fósseis e tornam as cidades esteticamente desagradáveis. Não se pode culpar o mercado por estímulos e decretos dados pelo Estado: o estímulo à compra de automóveis por parte do Estado, a iluminação pública com seu grande gasto de energia, e até mesmo conjuntos habitacionais construídos pelo governo podem ter consequências ambientais graves, se não forem avaliados da maneira adequada. Quem administra e empreende tais ações é o Estado. 

O pensamento conservador é um aliado natural da defesa do meio ambiente. Ter ciência de que o Estado é a parceria entre aqueles que já nos deixaram, vivem e ainda estão por nascer; da importância do princípio da prudência na administração pública; e de como é fundamental adequar as políticas públicas às circunstâncias materiais de cada região é fundamental para que políticas pró-meio ambiente sejam adotadas. 

Além disso, o meio ambiente e a estética urbana merecem lugares bem acima de dicotomias impostas por ideólogos de frases feitas e de agressividade intelectual sem freio. A técnica de “dividir para conquistar” deve ser rejeitada por qualquer pessoa civilizada. 

Portanto, Denise Abreu é uma candidata conservadora, pois é defensora de ideias conservasionistas, e se opõe verdadeiramente às ideias do governo atual. Religiosos, militares, caminhoneiros, produtores rurais, profissionais liberais, entre outros grupos menosprezados pelo atual governo devem ver essa candidatura com bons olhos. Ainda que as chances de vencer as eleições sejam pequenas, é um grande início para pôr fim no projeto de poder petista. 

http://revistaliberius.com/

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

ERA UMA VEZ NA VENEZUELA....

Era uma vez em Caracas, um líder opositor golpista terrorista ultraconservador assassino radical conspiracionista fascista chamado Leopoldo López. Por ser um monstro poderosíssimo, daqueles capazes de dar um golpe sorrateiro em qualquer país, López convocou uma marcha pacífica que logo se converteu em uma imensa massa humana vestindo branco e caminhando pelas ruas e avenidas da capital.

Assim que chegaram a uma certa praça, López subiu em um monumento, fez um discurso e se despediu da esposa, que foi erguida e sustentada pelas mãos dos próprios manifestantes. Feito isso, seguiu seu caminho e se entregou à Guarda Nacional Bolivariana, conforme havia prometido. Quis caminhar sozinho daquele ponto em diante, mas foi escoltado pela multidão.

Fim.
--
O mundo não é constituído por santos, mas tampouco pelos demônios que a gangue que se apropriou da América Latina afirma existirem.


HANGOUT CONEXÃO DENISE ABREU: O CONVIDADO É O PROF. OLAVO DE CARVALHO

LINK da transmissão: http://bitly.com/cda-odc

Estréia nesta quarta-feira, dia 19/02/2014, 22 horas (horário de Brasília), o primeiro hangout do ‘Conexão Denise Abreu’, e em alto estilo: Olavo de Carvalho. Denise e Olavo falarão o que os brasileiros precisam saber, inclusive sobre a inveja. 
“A inveja é o mais dissimulado dos sentimentos humanos, não só por ser o mais desprezível mas porque se compõe, em essência, de um conflito insolúvel entre a aversão a si mesmo e o anseio de autovalorização, de tal modo que a alma, dividida, fala para fora com a voz do orgulho e para dentro com a do desprezo, não logrando jamais aquela unidade de intenção e de tom que evidencia a sinceridade.”
Trecho do artigo Dialética da inveja, de Olavo de Carvalho 
Publicado na Folha de São Paulo, 26 de agosto de 2003
Íntegra: http://www.olavodecarvalho.org/semana/030826fsp.htm








Justiça do Holocaustianismo perde mais uma batalha

Justiça do Holocaustianismo perde mais uma batalha

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DECLARA....

A ASSOC. BRASILEIRA DE DEFESA FEZ UM LEVANTAMENTO DAS DISTORÇÕES DE PROPÓSITOS DA TÃO PROPALADAS CONSOLIDAÇÃO DEMOCRATICA, QUE ESTÃO PONDO EM RISCO A SEGURANÇA E A INTEGRIDADE DO ESTADO BRASILEIRO.

- ABSOLUTISMO DO PODER POLITICO
Nepotismo e aparelhamento politico ideologico dos quadros publicos com a multiplicação de orgãos do governo ocupados por militantes.
Falencia da imagem da oposição
Ausencia da independencia do judiciario
Ostensiva cooptação eleitoral através de benesses financeiras com dinheiro público.

- CORRUPÇÃO PANDEMICA E IMPUNIDADE

- ABUSA DA PRATICA DA DIPLOMACIA PRESIDENCIAL

- INCOMPETENCIA NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

- INSEGURA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DA ECONOMIA

- DEPENDENCIA ECONOMICA
Declinio vertiginoso da atividade industrial e dependencia de comodities agricolas.

- INFRAESTRUTURA SUCATEADA

- VULNERABILIDADE DA PRODUÇÃO PETROLIFERA

- DECADENCIA ETICA E MORAL

- REVISIONISMO HISTORICO E DIVISIONISMO RACIAL E SOCIAL

- ENSINO SUCATEADO

- FORÇAS ARMADAS SUCATEADAS E DESPREPARADAS

- PESSIMA FORMAÇÃO PROFISSIONAL, RESULTADO DA BASE DO ENSINO SUCATEADO, PREOCUPADO APENAS EM DOUTRINAR IDEOLOGICAMENTE E FORMAR MILITANCIA CEGA E IDIOTIZADA.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

CONTRA FATOS NÃO HÁ ARGUMENTOS!!!!



A FAMIGERADA FOTO DE DENISE ABREU COM O CHARUTO, FOI LANÇADA EM MATERIA DO ESTADÃO DE 01/04/2007, E O ACIDENTE OCORREU EM 17/07/2007. SERÁ QUE NO MESMO DIA DO ACIDENTE A IMAGEM REPETIU IGUALMENTE??



sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

INFO DIRETAS COM DENISE ABREU PEN 51


CONCLAMAÇÃO


A hierarquia e a disciplina são os pilares das Instituições Militares.
Os parâmetros são inquestionáveis e baseiam - se no respeito aos superiores e na obediência às suas ordens.
Portanto, os militares se submetem às normas da caserna no principio de que o superior hierárquico por seu nível de conhecimento e conduta ilibada está apto a comandá - los.
Contudo, eventualmente, o superior pode não reunir as qualificações para o exercício de seu cargo.
Felizmente, de alguma forma, por transferência do militar ou do seu superior, ou passagem para a Reserva, de um ou de outro, a incômoda situação é ultrapassada.
Na prática, é o que ocorre ou pode ocorrer.
Hoje, o silencio da Ativa quanto ao massacre revanchista que deturpa as Forças Amadas traduz a posição submissa de seus atuais comandantes.
Os militares da Ativa, cumpridores dos princípios da hierarquia e da disciplina, cônscios de sua subordinação, também se calam, e, hoje, nem mais podem orientar os seus subordinados quanto a relevantes episódios de nossa História, como a traiçoeira e covarde Intentona Comunista de novembro de 1935 e o memorável e glorioso Movimento Cívico - Militar de 31 de março de 1964...                
A grande maioria emudece para não transgredir, alguns, lamentavelmente, por receio em prejudicar as suas futuras promoções.
Mas em geral, silenciam por convicção de que assim cumprem a sua obrigação de militares disciplinados.
Porém, diariamente, por término do tempo de serviço ou por outras razões, um número razoável afasta - se da sua Instituição e tornam - se militares da Reserva.
Considera - se que um elevado número daqueles antes silenciosos, agora sem os compromissos do serviço ativo, gostaria de assumir uma postura no mínimo pró - ativa.
Por isso, dirigimo - nos aos insatisfeitos, encarecendo para que ao passarem para a Reserva juntem - se a nós, membros do Ternuma ou ao Grupo Guararapes, ou ao Grupo Inconfidência.
Venham, todos foram dinâmicos profissionais, que durante longos anos se dedicaram aos serviços da Pátria, ao passarem para a Reserva a missão continua, em especial no atual contexto, em que os inimigos da democracia assumiram o poder e pretendem se perpetuar .
Aos novos integrantes da Reserva, concitamos que sejam membros de ONGs que lutam para evitar um mal irreversível para o futuro da Nação e para a sua manipulada população.
Venham e lutem pela democracia e repudiem o aniquilamento da Forças Armadas.
A estes futuros participantes, recordamos que nós da Reserva ao contrario dos militares da Ativa, podemos e devemos externar as nossas opiniões, que podem ser de apoio, mas que podem ser de repúdio.
Hoje vivemos sob a égide de uma canalha que se preserva e perpetua no poder.
Cabe a nós militares da Reserva com os civis nacionalistas, todos cidadãos cumpridores de seus deveres, exigir os nossos direitos, denunciar, e de adotar uma postura unida reativa contra o descalabro, antes que a nossa Nação atinja o fundo do poço.
Amigos, venham!
Vejam o nosso site www.ternuma.com.br, militares recém ingressos na Reserva e os civis que amam esta terra, e juntem - se a nós, não continuem vivendo em brancas nuvens; nem você, nem a sua família, nem a sua Pátria merecem.
Brasília, DF, 14 de fevereiro de 2014
Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira
Presidente do Ternuma

Hangout de Olavo de Carvalho com a família Bolsonaro

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

IMB - O contrato social e o consentimento do governado

IMB - O contrato social e o consentimento do governado

SOU REACIONÁRIO!

Antonio Carlos Iranlei Toscano

Minha reação é contra o desrespeito à Lei e aos comandos exarados pelas autoridades no exercício legal de suas atribuições; aos atos de protestos praticados com violência em quaisquer uma de suas modalidades – patrimonial ou física; teorizações que elidem a responsabilidade individual e atribuem a culpa a entre abstratos; a defesa de que a prática de crimes é uma forma justa de reivindicar direitos; a busca do amparo legal das expectativas de direito das minorias através de um discurso de ódio contra a maioria; a divisão da sociedade em grupos antagônicos, fomentando-lhes a ideia de que os diferentes são inimigos; a afirmação que “força é superior ao Direito”, e não o contrário; a qualquer comportamento que não respeite a mais comezinha eticidade e moralidade; a ideologização no ensino fundamental, médio e superior; a criação de uma massa de jovens revolucionários ao invés de pensadores e intelectuais comprometidos com a verdade; a toda e qualquer tentativa de reduzir o homem à mera condição de bárbaro, ou líder de guerrilhas urbanas; a aspiração de tornar a sociedade atual um caos sob a promessa futura de não existirão mais ‘separação de classes’; o ódio ao sucesso dos que, por mérito, conseguiram uma vida confortável; todo e qualquer discurso que busque um mundo melhor sob a máxima de que “os fins justificam os meios”.

Feitas essas considerações, fiquem à vontade para me adjetivar de ‘reacionário’ ou ‘reaça’: aceitarei tal elogio com a mais profunda lisonja.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Secretária Eletrônica do Romeu Tuma Jr

Breve considerações sobre o caso do menor preso ao poste

Por ANTONIO CARLOS IRANLEI TOSCANO - Advogado e Prof. de Direito Penal

Compreensível é um adjetivo que significa que algo é explicável, inteligível. 

Quando alguém declara que ‘compreende’ ou que ‘algo é compreensível’, apenas está dizendo que o fenômeno é explicável, ou seja, trata-se de uma afirmação de caráter meramente descritivo da realidade. Deste modo, quando a jornalista Rachel Sheherazade disse que “a atitude dos vingadores é até compreensível”, ela quis denotar que podemos tentar apreender a realidade fática através do pensamento ou raciocínio objetivo. E quanto à ação dos vingadores? Não seria claramente um crime e, portanto, a explicação dada pela jornalista não guardaria relação com a realidade? Vejamos.

O Código Penal dispõe que

“Não há crime quando o agente pratica o fato 
I - em estado de necessidade; 
II - em legítima defesa; 
III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.”

As situações descritas acima são definidas pelas doutrina e jurisprudência brasileira como ‘cláusulas excludentes da ilicitude do fato’ ou ‘justificadoras da ação do agente’. Isso significa que em legítima defesa alguém pode – tem o direito desde que use modernamente dos meios necessários – tirar até mesmo a vida do agressor (praticar o fato típico de homicídio que é “matar alguém”) sem que tal fato seja considerado crime.

"Sim, Iranlei, eu até entendo". "Mas e quando alguém excede a moderação?" "Quando a reação é desproporcional à agressão sofrida?"

Para que qualquer conduta seja considerada crime, faz-se necessário que seja revestida da total repulsa social do ato praticado ou, nos estritos termos da Teoria Finalista da Ação adota em nossa legislação penal, que não tenha sido possível exigir do agente uma conduta diversa na situação em que se encontrava.

Quem decidirá, pois, se a conduta do agente é reprovável e, portanto, merece criminalização? Em caso de homicídio doloso, um corpo de jurados; em lesões corporais e demais crimes não dolosos tentados ou consumados contra a vida, um Juiz de Direito.

Teriam, então, o ‘justiceiros’ praticado um crime, posto que excederam a moderação e proporcionalidade? A ação dos rapazes foi tolerável ou não? Não sei. Precisaria, para tanto, de todos os elementos possíveis que circundaram o fato para fazer um justo juízo de valor sobre o caso. Mas de uma coisa eu tenho a certeza: o menor não é se encaixa nos critérios sociais de 'vítima inocente', pois, possui várias passagens pela polícia que incluem roubos, furtos e lesões corporais (ou tentativa de homicídio). 

Finalizo fazendo a seguinte pergunta: Se algum de vocês fosse vítima de um roubo e encontrasse o autor do crime face a face, o que faria?

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

“Holocausto judeu” – O que aconteceu realmente

“Holocausto judeu” – O que aconteceu realmente

LEGIO VICTRIX: Heidegger, Esquerda e Direita: Ontologia Política ...

LEGIO VICTRIX: Heidegger, Esquerda e Direita: Ontologia Política ...: por Michael Millerman Nesse artigo, eu distingo a esquerda heideggeriana da direita heideggeriana, com base em suas interpretações ...

Essa vai para o vice prefeito da cidade de Caxias do Sul/RS

Por Felipe Menegat

O nobre senhor vice prefeito saiu nas redes sociais defendendo o transporte ferroviário e “descendo o verbo' no governo federal por investir no governo cubano. 
Primeiramente, causa estranheza os comentários do nobre vice-prefeito já que seu partido (PMDB) é o principal aliado do governo federal, tendo o próprio vice presidente da república, Michel Temer, entre os seus, além de “admiráveis” figuras como Renan Calheiros que é presidente do senado federal e José Sarney, sendo que ambos dispensam maiores comentários. 
Portanto meus amigos, não se trata aqui de uma agressão ao nobre vice prefeito, mas sim, um convite a uma honestidade intelectual em assegurar que o seu partido (PMDB), assim como o corrupto PT, se agarram nos ideais gramsciano e maquiavélico, onde a luta pelo poder subestima todos os meios. 
Talvez o nosso nobre vice-prefeito ignore este fato, mas o seu partido, juntamente com o  corruPTo PT colaborou, e muito, com o apoio ao socialismo do século XXI, no qual o estilo “Fidelista” de governar está cada vez mais evidente em nosso país.
Quando o comunismo acabou, ao menos em tese, vimos Fidel Castro questionado por um repórter americano de como ele se sentia ao estar com João Paulo II (determinando na derrota ao socialismo), manisfestar-se de que ele, Fidel Castro, não subestimaria Gorbachev e seus ideais comunistas. 
No Brasil, a prova da sobrevivência deste nefasto regime está nessa comunhão de partidos que desejam implantar em nosso país uma espécie de “ditadura assistida”, na qual a oposição não passa de mero fantoche de uma falsa democracia já que, frise-se, o povo brasileiro NÃO QUER, como nunca quis, viver no socialismo. 
Acredito que a crítica do nobre vice perfeito, é tão vazia quanto criticar Leonardo Da Vinci, por não ter dito quem era a Monalisa. Isso porque o partido do nobre vice prefeito está submisso ao PT e suas críticas são apenas palavras doadas ao vento ao invés de uma contribuição honesta à sociedade. 
Em resumo, a preocupação do vice-prefeito é até bonitinha e legítima, mas descabida num contexto em que nem ele mesmo faz parte da oposição. E aí PMDB, está querendo enganar quem?  

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

ENTREVISTA COM O PROF. ANTONIO C. IRANLEI TOSCANO - DESMILITARIZAÇÃO E VIOLÊNCIA

 É possível desmilitarizar a Polícia? 
Esse debate sobre "desmilitarizar" a Polícia, não responde a questão central, especialmente se estas mudanças se traduziriam em efeitos concretos na redução da criminalidade. Antes de tratar esta questão, por que não debater a estruturação das polícias que está pendente em nossa Constituição desde 1988? Há mais de vinte e cinco anos que o parágrafo 7o da Constituição que trata da regulamentação dos órgãos de segurança pública não é regulamentado, o que é lastimável. Nós precisamos de uma polícia de ciclo completo, como ocorre na Itália com os Carabiniere, de caráter militar ou mesmo no Chile com os Carabineros. - 
- Há condições políticas para isso? 
Eu creio em condições políticas que possam viabilizar melhores condições de trabalho para os órgãos policiais, e não somente para eles - especialmente pela escalada da violência que atinge a todos, independente de condição social. 
- O que explica tanta a violência da Polícia Militar?
A sua afirmação me parece incompleta e acredito seja reflexo da visão distorcida que os brasileiros tem dos fatos reais. Explico. Não existe 'tanta violência da Polícia Militar'. Existe, sim, muita violência na sociedade brasileiras, nas ruas, cujo grande motor é a criminalidade organizada. Para que você tenha uma breve ideia, a grande maioria dos casos de homicídio na Paraíba (aqui você poderia entrevistar qualquer juiz que atue em uma vara no Tribunal do Júri que ele te revelará isso, prontamente) são 'acertos de contas, disputa territorial ou questões relativas ao tráfico de drogas e atividades afins'. Mas para que não fique algo simplista, faço questão de lembrar que as organizações criminosas não usam, apenas, do tráfico de entorpecentes em suas atividades. Há o tráfico de seres humanos para exploração sexual, lenocínio, exploração sexual de crianças e adolescentes, tráfico de órgãos, lavagem de dinheiro, enfim, atividades que em si mesmas já são da mais brutal violência e, por conseguinte, violadoras das mais comezinha noção de dignidade humana. Com estes pontos aclarados, acredito que a violência policial em si, não é intrínseca ao caráter ou estética de uma Corporação, in casu, da formação Militar da polícia. Há casos de excesso dentro da corporação, sem dúvida alguma, mas as Corregedorias e, até mesmo, a Justiça Comum tem cumprido com suas funções na exclusão e punições destes maus policiais. Por outro lado, por estar nas ruas fazendo a segurança de todos os cidadãos brasileiros, em especial na linha de frente contra a 'disputa territorial das organizações criminosas' e ao combate da violência urbana que muita das vezes são questões que circundam a 'máfia', a Polícia Militar não terá outra opção, senão o 'enfrentamento' e a atuação firme - e em caso de resistência o uso da força (violência) é, infelizmente, inevitável. É fato notório que qualquer criminoso hoje tem em seu poder armas de grosso calibre de alto poder de dano/penetração, e isso explica bastante a nossa média anual de 50.000 (cinquenta mil homicídios por ano). Se existir alguma fórmula de combater violência armada sem usar, também, de armas, peço ao detentor da ideia que escreva um livro e, em seguida, vá trabalhar na ONU, pois terá resolvido um dos grandes problemas da humanidade...
- Que ideologia justifica essa violência? 
Nenhuma ideologia que justifique a violência como meio para obtenção de qualquer fim deve ser levada a sério. Se ideologias assim existem, minha resposta é incisiva: Sim! Aliás, há várias, que usam da ideia que 'a revolução armada' é meio necessário para a criação de uma sociedade sem classes, sem desigualdade social. E o engraçado é que este discurso em si mesmo contraditório prospera bastante. Mas acho que este assunto caberá a um novo debate. Risos. Voltando à questão principal, há mais de dez anos que disciplinas como direitos humanos fazem parte do currículo do curso de formação de Oficiais. Em 2003, por exemplo, eu tive o prazer de fazer um Curso de Especialização em Direito Penal e Criminologia, cuja maioria dos alunos eram policiais militares. A formação militar hoje - e não somente ela, mas a policial como um todo - é feita à luz do respeito à dignidade humana.  A Polícia Militar aqui na Paraíba, por exemplo, integra o Conselho Estadual de Direitos Humanos, tendo prestado relevantes trabalhos à comunidade paraibana. A polícia tem absorvido estes ensinamentos e tem um programa exemplar de prevenção primária às drogas e à violência que é o PROERD, onde policiais fardados vão às escolas e ministram aulas a crianças e adolescentes. Este é um programa que deveria ter um investimento maciço do Estado. Por outro lado, não nego que existem excessos. Mas como professor que tem estudado a questão da violência (em especial a questão das organizações criminosas e seus deletérios efeitos socio-econômicos) vejo que estes desvios acontecem por questões pontuais e não como uma 'ideologia institucional de violência'. 
- Por que a Polícia vê sempre o indivíduo como um suspeito que precisa ser dominado e não como um cidadão que necessita de ajuda? 
Não é sempre assim. Há casos e casos e cabe ao policial distinguir um cidadão comum de um possível criminoso. O bom senso policial aqui é inevitável. Cite-se o exemplo constante dos assaltos que ocorrem aqui em João Pessoa - que muitas vezes tornam-se latrocínios -. Vários deles têm uma característica em comum: São praticados por uma dupla que se locomove por motocicleta. Se em uma ronda policial uma viatura se depara com uma dupla em condições de 'suspeição', a averiguação faz-se necessária, pois possíveis criminosos poderão estar ali, prontos para agir, e há possíveis vítimas em perigo. É importante deixar claro que 'em situações de suspeição' a polícia militar tem base legal para tomar as providências necessárias. Falando mais um pouco do assunto, há outras ações preventivas, a cargo da Polícia Militar, que requerem, também,  pronta intervenção; é o caso de apreensão de armas, foragidos da justiça, e drogas. Se a polícia não realizasse as abordagens (policiamento ostensivo) não teria qualquer condição para que a Polícia Civil (polícia investigativa) pudesse analisar o fato. Sem a cooperação entre as duas polícias (militar e civil) o Sistema Jurídico-Penal do País estaria seriamente comprometido na sua obrigação de buscar o exercício do direito de punir com o fulcro na manutenção da segurança jurídica, paz e ordem. Por fim, gosto de deixar claro que inúmeros Inquéritos Policiais são iniciados (e os autores condenados na justiça) justamente, a partir destas abordagens policiais de suspeitos.
-Por que os policiais se desviam de suas atribuições e passam a exercer funções extra-estatais, como, por exemplo, as milícias privadas? 
Acredito que esta fato está intimamente ligado a ausência de uma política séria de valorização policial. Quanto você acha que vale vida de um policial? Será que temos lhos remunerado de maneira justa levando em consideração o risco de morte que a atividade policial, por si só exige como 'parte integrante do trabalho? Eis aqui uma questão que precisaria de um debate sério a respeito. Tem um programa muito interessante na Paraíba que é o plantão-extra e policiais interessados em participar podem trabalhar na folga, afastando-se dos chamados "bicos". Mesmo assim, é verdade que alguns policiais, para complementação de renda, passam a exercer atividades privadas. A questão que eu sempre faço é a mesma: Será que precisariam disto se fossem bem remunerados? Eu acredito que não. Mas não tenho como afirmar isso sem que minha premissa seja verificada na prática, não é verdade?
- Essa variante do serviço de segurança, a milícia privada, era comum em estados como o Rio de Janeiro e São Paulo, mas hoje chegaram ao Nordeste, inclusive à Paraíba. O que explica esse desvirtuamento? 
Como eu já mostrei anteriormente, a escalada da violência urbana tem gerado para a sociedade o clamor por uma maior segurança, isso explicaria o avanço da segurança privada, mesmo as que operam clandestinamente. Agora é atribuição da Polícia Federal a fiscalização das empresas que prestam o servido de atividades de segurança privada, cabendo, à primeira, agir em caso de existência de atividades clandestinas. 
- Qual a relação entre o policiamento ostensivo e a violência? 
O policiamento ostensivo é uma atividade constitucionalmente à cargo da Polícia Militar, que desenvolve através de vários tipos de atividades: policiamento ambiental, trânsito, policiamento com cães, turístico, aéreo, policiamento com viaturas. É um trabalho complexo. Falar de violência, que tipo de violência você se refere? Digo isso pois cada atividade mencionada anteriormente podem por si mesma, deparar-se com situações de violência. A polícia, seja militar, civl ou federal tem o dever institucional de atuar na prevenção ou na investigação de atos que se configurem crimes (e muitos destes atos são praticados com o uso da violência). - 
- Nunca houve tanto investimento na profissionalização das policiais, ao mesmo tempo nunca houve tantas denúncias de corrupção. O que está dando errado nessa equação? 
Com base em que números você atesta esses investimentos? Da mesma forma, diante de que base de dados você afirma que 'nunca houve tantas denúncias de corrupção? Eu, como professor e estudioso do tema, realmente, desconheço dados oficiais que ratifiquem as suas afirmações. Sem dúvida a mídia fala a respeito, porém nós dois sabemos que a mídia não é órgão produtor de análises estatísticas, não é verdade? Pelo o que eu conheço (e aqui sugiro que você entre em contato com um Coronel ou até mesmo um oficial da Polícia Militar) O Estado Brasileiro investe muito pouco em segurança pública. Já que o Governo Federal é famoso pela sua ampliação Ministerial  - já estamos com 39 ministérios - Por que não se cria um Ministério da Segurança Pública? Os dados que eu tenho são de 2012, e de acordo com a ONG Contas abertas, o Governo Federal tinha 3,1 bilhões de reais para gastar, mas investiu efetivamente R$ 738 milhões, 23,8% do previsto. Quanto à questão da corrupção é uma temática que atinge tanto os altos escalões do Estado, como aqueles que atuam na ponta. Nem o Vaticano esteve imune. É uma questão que tem ser debatida no campo moral, da ética.
- A corrupção não é exclusiva das polícias militares. Então, a desmilitarização nesse caso de combate à corrupção não seria a solução?
A corrupção, como disse, atinge todas as esferas de poder e é uma questão que não diz respeito a estética da corporação seja ela militar ou civil.
- Que exemplos podem ser citados de Estados que desmilitarizaram suas polícias e isso gerou benefícios para o cidadão?
 As Polícias Militares são instituições seculares e não há exemplo a citar. Nem há garantias de que implementado tais medidas isso implique em mais benefícios à sociedade. Faria diferença se o fator essencial fosse resolvido que diz respeito às condições de trabalho, aparelhamento de ponta, mais policiais e, especialmente, a valorização policial com salários dignos.
- Como garantir ao cidadão pobre, negro e à mulher uma prestação de serviço como se assegura ao indivíduo que tem condições de chamar um advogado?
Eis uma pergunta extremamente pertinente. No Brasil nós temos uma deficiência gigantesca na Defensoria Pública que não tem o número mínimo suficiente para atender às demandas que lhe são incumbidas. Para que esta parcela de necessitados possam ter um assessoramento jurídico digno, faz-se preciso, urgentemente, a contratação de mais profissionais (defensores públicos), de capacitação, de disponibilização de espaços que sejam acessíveis a todos.
- Um dos legados do século passado foi a defesa dos Direitos Humanos, mas ao mesmo tempo, o número de denúncias de desrespeito a garantias individuais aumentam. O equilíbrio é possível ou só mais uma utopia? 
A politização da sociedade, a elevação do nível educacional e a disponibilização de canais de denúncias favorecem o incremento de registros de violações de garantias individuais. O equilíbrio será possível quando a implementação de políticas públicas de saúde, educação e segurança forem postos em primeiro plano nas ações do Estado de forma séria, com planos e metas que não sejam apenas contingentes e imediatas. 
- Em que medida a polícia realmente contribui para o combate à violência e para a diminuição da criminalidade? 
Quem o cidadão aciona numa segunda-feira de madrugada quando escuta um barulho no seu quintal? Para quem você ligaria em caso de assalto a mão armada aí na sede do Jornal Correio? As polícias são essenciais para assegurar que o crime não ocorra, e em caso de já ter ocorrido, que este não se revista de impunidade. Se ele ocorre as instâncias investigativas entram em ação. Repito, essa ação pode ser melhor ainda se os efetivos forem ampliados, se as condições de trabalho forem melhoradas e, sobretudo, se a valorização do profissional efetivar-se de verdade.
- O maior problema das polícias é a baixa remuneração, é a falta de profissionalização ou é a corrupção? Ou esses três temas se entrelaçam e daí o quadro que se tem é esse que está nas ruas? 
Necessidade valorização profissional, regulamentação de suas atividades e profissionalização se entrelaçam. Um policial que no dia-a-dia enfrenta a criminalidade não pode conviver no mesmo ambiente em que combate o tráfico ilícito de drogas. É isso que acontece, o policial se sente vulnerável, incompreendido porque os seus direitos também são violados.
- É possível dialogar com criminosos, ou “bandidos”, como a polícia apelida sem o uso da violência? 
Não se trata de apelido colocado pela polícia. Na verdade, umas das origens etimológicas da palavra bandido vem do italiano 'bandito' que significa bandoleiro, salteador, patife. Logo, não há qualquer 'neologismo' ou 'apelidação' de autoria da Polícia. Quem faz a opção sobre a forma como esse diálogo vai ser estabelecido não é a polícia, mas a própria situação em concreto. A polícia é capacitada para fazer uso progressivo da força e esta última está na medida do necessário para fazer cessar a agressão injusta. Para que fique mais claro, os policiais fazem uso do método Giraldi de gerenciamento de crise e de equipamentos menos que letais. Veja-se, por exemplo, do uso de bombas de efeito moral, gás de pimenta e balas de borracha como meios menos lesivos para contenção de conflitos. Assim, tenho percebido um grande esforço para redução da letalidade, porém como foi colocado anteriormente, nem sempre isso é possível, por muita das vezes o agressor está tão bem, senão mais bem armado do que o próprio policial.
- A impunidade a quem se atribui grande parte da culpa pela corrupção no País, também é um dos problemas que acabam contribuindo para essa Polícia que temos?
As variáveis citadas não tem relação com a polícia que temos. As Polícias que temos são instituições que estão experimentando um processo de renovação muito importante. Vários policiais militares aqui na Paraíba, são além de professores, palestrantes internacionais, têm mestrado, doutorado. Cito o exemplo de um (mas não é o único) a quem tenho uma amizade e admiração de longa data (desde os idos de 1997- não pergunte a minha idade, risos) que é o Tenente-Coronel Arnaldo Sobrinho de Morais Neto. Atualmente ele é coordenador executivo para o Brasil da International Association Cybercrime Prevention - Paris (França), Membro da International Law Association - ILA/Brasil e professor da Pós-Graduação em Segurança Pública e Direitos Humanos da UFPB (Disciplina: Planejamento Estratégico em Segurança Pública). É uma transformação extraordinária e creio que esse novo perfil será cada vez mais capaz de promover as mudanças que a sociedade almeja.
- A questão das drogas, a que se atribui grande parte da violência, como deve ser tratada nessa perspectiva policial? 
A problemática das drogas ilícitas envolvem elementos de alta complexidade. Inicia-se pela formação moral familiar,  e pelas questões morais e éticas que são o fundamento de qualquer sociedade politicamente organizada. A questão que sempre me pergunto é a seguinte: Como convencer que 'o crime não compensa', senão pela eticidade e moralidade? Por isso falo que a questão é complexa. De qualquer maneira, o Estado precisa, através de suas políticas públicas, desestimular o uso das drogas, em especial, focando-se na criança, jovem e adolescente. Assim como é feito com o cigarro, é importante que se mostre, claramente, os males e mazelas do uso de substâncias entorpecentes. Trata-se de uma campanha de 'choque'. Como diz a linguagem popular, 'a droga não é brinquedo não'! Quanto ao papel sob a perspectiva policial, entendo que a atuação da corporação deve pautar-se por dois eixos: prevenção e repressão. O trabalho preventivo, que podemos denominar de prevenção primária, é o que é feito de forma a evitar que nossas crianças e jovens absorvam valores que possam torná-los menos vulneráveis ao risco do primeiro contato. Um exemplo disso é a atuação da Polícia Militar, que mantém nacionalmente o PROERD (Programa Educacional de Resistência às Drogas) Na seara repressiva, numa perspectiva macro, a Polícia Federal vem atuando no combate ao narcotráfico sobretudo (atacado da droga) e a Polícia Civil também tem contribuído.
-A droga também chegou aos quartéis, já há policiais envolvidos com drogas em padrões semelhantes aos dos jovens na sociedade civil?
Não tenho qualquer dado para dizer que "a droga chegou aos quartéis". Se você me pergunta, genericamente, se há policiais envolvidos com drogas eu respondo como cidadão: Nenhuma instituição pode dizer que seus profissionais estão a salvo desse mal do século. 
-As políticas anti-drogas estão obtendo algum efeito positivo no combate à violência? 

Acredito que os grandes investimentos estão sendo feitos no momento errado: A recuperação. O indivíduo que entra para o mundo das drogas, em especial as de maior poder de gerar dependência química e psicológica (crack, heroína, cocaína, etc.) tem uma dificuldade enorme de largar o vício. A luta diária é enorme. Cite-se, por exemplo, a maravilhosa atuação da Comunidade Cidade Viva com seu Centro de Recuperação Especializada em Dependência Química e o desafio que eles enfrentam, diuturnamente, com seus pacientes. O investimento que considero importante é na prevenção primária, porém é muito tímido ou quase inexistente. Ações como a do PROERD (Programa de Prevenção às Drogas e à Violência, mantido pela Polícia Militar) deveriam receber mais recursos. Os custos com a recuperação de dependentes químicos é altíssimo. - A criminalização da pauta dos noticiários (a cada dia mais jornais e programas de TV investem na violência como matéria prima) na contribui para um círculo vicioso de banalização da violência? A espetacularização dos fatos do cotidiano tem convertido o sentimento de perplexidade em atos de violência, a fatos comuns. Isso é lamentável.
- Há uma violência que é autorizada pela sociedade e que o Estado exerce, por exemplo, para a manutenção da ordem pública. Ela pode ser dissociada da polícia militarizada? 
Não tem qualquer vinculação a afirmação da existência de uma "violência autorizada pela sociedade" exercida pelo Estado. A manutenção da ordem pública, à cargo da Polícia Militar, é uma atividade típica de Estado, das mais essenciais e que tem como base legal a própria Constituição Federal.
- Que papel a educação pode exercer na criação de padrões a serem respeitados no exercício da função policial? 
Os conteúdos ministrados nas academais de polícia integram uma matriz nacional, estabelecida pela Secretaria Nacional de Segurança Pública e essencialmente primam pelo respeito aos direitos fundamentais do cidadão. Se há um desrespeito, é culpa do indivíduo e não da Instituição.
- Por que os governos parecem lentos numa reação eficiente não combate à violência? 
O enfrentamento é uma ação complexa. Não se restringe apenas ao emprego do aparato policial. Há clara necessidade de investimento em outras áreas como habitação, sáude, educação, emprego e resgate dos valores cívicos e morais. 
- Há uma corrente que defende um amento de efetivos, com mais policiais com armas nas ruas. Como o senhor vê essa proposta? 
É fato que há a necessidade de recomposição de efetivos. Os policiais não ficam eternamente no serviço ativo. Até porque é uma das profissões mais estressantes do mundo. Há óbitos, aposentadorias, expulsões, entre outros fatores que reduzem o efetivo policial. Obviamente que há a necessidede de recomposição desses claros. As armas são istrumentos de trabalho do policial. Estes estão cada vez mais sendo capacitados para atuar no uso seletivo da força e gerenciamento de crises.
 -O senhor acredita que há solução para tanta violência? 
Solução para tanta violência? Não, não há solução. Infelizmente a violência é um traço infeliz da condição humana. O que pode haver é a minimização deste mal, porém uma solução mágica ou panaceia não existe e se estiver alguém a propalando, suspeite que 'é cilada, bino' Risos. Há inúmeros autores que tratam do tema sob perspectivas diversas. Cito dois: Hannah Arent e René Girard. Aqui fica ao gosto do leitor a teorização da violência que mais lhe soe 'interessante'.
- O que o senhor como estudioso sugere?
Sugiro tudo que foi dito e falado ao longo desta entrevista, mas em especial, que comecemos a refletir até que ponto a formação moral e ética (particular e política) não é, realmente, o caminho mais coerente para a conscientização e até mesmo 'humanização' do cidadão e do policial. Se tem uma coisa que temos errado feio é ao desprezar verdades antigas, descumprindo um dos  10 (dez) deveres fundamentais à humanidade que nos diz: Não matarás...