Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

sábado, 6 de setembro de 2014

Patriotismo e Nacionalismo!



“ …(...) que é muito difícil você vencer a injustiça secular, que dilacera o Brasil em dois países distintos: o pais dos privilegiados e o país dos despossuídos.
Ariano Suassuna

                         Pátria é o país ou estado em que a pessoa nasceu e que faz parte como cidadão.
                        Patriotismo é o amor e respeito que se tem pela terra natal. Esse sentimento pode ser manifestado pela valorização da cultura, suas belezas naturais e seus simbolos nacionais.
                       Historicamente o Brasil, foi achado. Colombo descobre a América em 1492 e em 1498 Portugal e Espanha assinam o Tratado de Tordesilhas que dava a Portugal posse da parte leste da América do sul. Ou seja, Portugal tinha conhecimento dessa terra e Cabral por um acidente de percurso acabou achando o novo território português.
                         A partir daí, a colonização feita por portugueses, africanos, europeus de diversas nacionalidades e contemporaneamente por orientais fez com que o patriotismo, esse sentimento dos nativos do país não fosse tão forte, pois a cultura dos colonizadores se sobrepôs e sempre foi mais valorizada.
Exemplo dos que se pratica até hoje nas colônias alemãs, japonesas, italianas, árabes....
O que é Nação:
                              Nação é a reunião de pessoas, geralmente do mesmo grupo étnico, que falam o mesmo idioma e tem os mesmos costumes, formando assim, um povo. Uma nação se mantém unida pelos hábitos, tradições, religião, língua e consciência nacional.
                              Os elementos território, língua, religião, costumes e tradição, por si sós, não constituem o caráter de uma nação. O elemento dominante deve ser a convicção de um viver coletivo, é quando a população se sente constituindo um organismo ou um agrupamento, distinto de qualquer outro, com vida própria, interesses especiais e necessidades.
                              A convicção brasileira para se intitular uma nação é muito frágil e por vezes inexistente devido a sua mentalidade que burla a moral e a ética construída pela própria sociedade ao longo do tempo por propostas, projetos e práticas revolucionarias maquiadas de avanços e modernismos professados por grupos de mentalidade ideológica internacionalista.
                       Nação não se anula mesmo ela sendo divididas em vários estados, uma vez que várias nações se unem para a formação de um país. O Estado é uma forma política, adotada por um povo com vontade política, e a nação existe sem qualquer espécie de organização legal, apenas significa a substância humana que o forma, atuando em seu nome e nos seus próprios interesses.
                       O melhor exemplo que temos no Brasil que cumpre os requisitos de patriotismo e nação está nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul que apesar da forte influencia da colonização secular europeia soube ao longo do tempo preservar a cultura de origem e construir os requisitos necessários, de respeito e de nação daquelas terras que os acolheram.
O que é Identidade nacional:
                       A identidade nacional é um conceito que indica a condição social e o sentimento de pertencer a uma determinada cultura.
O conceito de identidade nacional só começou a ganhar força no século XIX, quando surgiu a noção de nação.
                       Em um indivíduo, o nível de identidade nacional vai depender da sua participação ou exclusão relativamente à cultura que o envolve. É um tema relacionado com a identidade cultural, ou seja, o conjunto das características de um povo, oriundas da interação dos membros da sociedade e da forma de interagir com o mundo.
 O que é Nacionalismo:
                        O nacionalismo consiste em uma ideologia e movimento político, baseados na consciência da nação, que exprimem a crença na existência de certas características comuns em uma comunidade, nacional ou supranacional, e o desejo de modelá-las politicamente.
                         Com precedentes na Idade Média, sobretudo nas monarquias absolutas, é a partir da Revolução Francesa que surge o nacionalismo moderno, simultaneamente com o apogeu da burguesia industrial. Posteriormente, a luta frente a um exército invasor (guerras napoleônicas)ou o desejo de independência (continente americano) deram ao nacionalismo um novo impulso.
                        Diante desses esclarecimentos sobre vários termos aplicados e professados de forma romântica para iludir o cidadão pelos agentes revolucionários que temos, ainda, no comando e na liderança do país, onde incluo os pseudos opositores que formam o monopólio esquerdista da política nacional, observo que o país já nasceu doente em vários fatores essenciais e ficou mais doente quando a mentalidade revolucionaria, internacionalista e utópica da esquerda alçou voo sobre o país e quem está nessa pátria.
                    Na minha concepção o processo natural de construção de um real patriotismo e de uma nação foi interrompido com força após a famigerada redemocratização, que na verdade foi abrir as porteiras da pátria para a invasão dos agentes socialistas que como bem assistimos diariamente avança nos seus objetivos de forma geral, ampla e irrestrita, parafraseando o fundamento da lei que anistiou a esquerda dos inúmeros crimes lesa pátria da época e que continuam sua prática.

  
Fontes:
Crédito da primeira Imagem - Prof. Olavo de Carvalho.
Demais - Google Imagens
Artigo:
Do conhecimento e das pesquisas do grande amigo
Prof. Marlon Adami
Graduado em História - Pós Graduado em Filosofia Política -  Pesquisador – Brasília – DF –
De suas publicações em:
Desconstruindo Marx - Artigo editado nos anais do I Congresso Internacional de Direito e Marxismo(2011)
Constitucionalismo Contemporâneo na América Latina - Artigo editado no II Congresso Internacional de Direito e Marxismo(2013)