Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

sábado, 7 de novembro de 2015

98 ANOS DA REVOLUÇÃO COMUNISTA NA RÚSSIA

HOJE A REVOLUÇÃO COMUNISTA DE 1917 COMPLETA 98 ANOS....QUER SABER A VERDADE? CONTINUE LENDO...MELHOR TEXTO SOBRE O ASSUNTO!!!
A Revolução Russa
Segundo um testemunho do Congresso dos Estados Unidos de outubro de 1919 [20] o apoio financeiro do John D. Rockefeller (à Lenin e Trotsky) provocou a (fracassada) Revolução Comunista de 1905. A biografia do Rockefeller omite umdetalhe «insignificante», isto é, a afirmação feita em público por parte do banqueir investidor da família Rockefeller e presidente da empresa de investimentos de Nova Iorque, Kuhn, Loeb & CO, o jesuíta Jacob Schiff, também fundador da Reserva Federal, de que sem sua influência financeira a revolução russa nunca teria êxito.
Quer dizer, segundo os documentos do Congresso do doutor Sutton, na primavera de 1917, Jacob Schiff começou a financiar ao Trotsky com o propósito de que prosperasse a Revolução Socialista na Rússia. A maneira em que Sutton descobriu esses incríveis documentos é realmente surpreendente! Esses preciosos
documentos se encontraram em um expediente a mais do Departamento de Estado dos Estados Unidos (861.00/5339). O documento mais importante data de 13 de novembro de 1918.
Entretanto, o que é mais incrível ainda é o fato de que em privado Schiff estava contra o apoio ao Regime Bolchevique, como se demonstrou, e de novo, documentos reservados, descobertos pelo doutor Sutton (como o Documento nº1023), demonstram que Jacob Schiff, do Kuhn, Loeb e Company, também tinha
financiado secretamente aos japoneses em sua guerra contra a Rússia.



Outro fato omitido é que o emissário pessoal do John D. Rockefeller, George Kennan, passou vinte anos promovendo a atividade revolucionária contra o czar da Rússia segundo o livro Rape of the Constitution: Death of Freedom de
Gyeorgos C. Hatonn. Quem financiou ao Kelman e por que? A que custo? Além do desejo de criar um monopólio globalizador tinha, John D. Rockefeller, alguma razão pessoal para desejar a queda do czar e apoiar a revolução? Depois, Rockefeller já não era nenhum adolescente idealista. A resposta segue hoje tão atual como há cem anos: pelo petróleo! Antes da Revolução Bolchevique, a Rússia sucedeu aos Estados Unidos como o maior
produtor de petróleo do mundo. [21] Em 1900, os campos de azeite de Bakú, na Rússia, produziam mais petróleo cru que todo os Estados Unidos e em 1902 mais da metade das extrações mundiais eram russas.
O caos e a destruição da revolução destruíram a indústria petrolífera russa.
Em seu livro, Wall Street and the Bolshevik Revolution, o doutor Sutton escreve:
«Por volta de 1922 a metade dos poços estavam parados» [22] e a outra metade apenas funcionava devido a falta de tecnologia para fazer os produtos.
A outra razão, que tampouco se menciona na biografia de Rockefeller, é a concorrência. Como afirma Gary Alien, «a revolução eliminou durante vários anos a concorrência russa de Standard Oil nos quais a empresa americana pôde mover as
peças e fazer-se com parte do negócio do petróleo russo».
Movendo as peças do tabuleiro
Quando a revolução de 1905 fracassou, os banqueiros reagiram. Em seu livro, Rape of the Constitution; Death of Freedom, Gyeorgos C. Hatonn explica como «Lenin foi "armazenado" na Suíça até 1907 [fora de perigo]. Trotsky foi levado aos Estados Unidos, onde viveu sem pagar aluguel em uma propriedade da
Standard Oil em Bayonne, Nova Jersey» [24] Como anedota, o doutor Anthony Sutton explica em Wall Street and the Bolshevik Revolution que Leon Trotsky visitou a Espanha depois de ser expulso da França, em setembro de 1916, por escrever artigos «incendiários» em um periódico parisino escrito em russo. Foi,
segundo Sutton, «escoltado educadamente até a fronteira espanhola».
Alguns dias depois, a polícia de Madrid deteve-o para interná-lo em uma «cela de primeira classe» a um preço de uma peseta e meia ao dia. Depois, Trotsky foi transladado ao Cádiz e depois à Barcelona, «onde finalmente subiu a bordo do Montserrat, um vapor da Companhia Transatlântica Espanhola. Trotsky e sua
família cruzaram o Atlântico e desembarcaram em Nova Iorque em 13 de janeiro de 1917.
Quando o czar abdicou em 1916, Trotsky - com dez mil dólares de
Rockefeller para gastos de viagem - foi conduzido ao Kristianiafiord (deixou Nova Iorque em 26 de março de 1917) com trezentos revolucionários comunistas de Nova Iorque. De onde tirou Trotsky seu passaporte? Quem o pagou? Quem lhe
arrumou o trâmite e por que? Foi o mesmo Rockefeller quem conseguiu um passaporte especial para o Trotsky através de Woodrow Wilson, o presidente dos Estados Unidos, e enviou Lincoln Steffens, um comunista americano a serviço de
Rockefeller, «com ele para assegurar-se de que retornaria são e salvo à Rússia».
Segundo arquivos desclassificados do Governo canadense, em 13 de abril de 1917, quando o navio se deteve no Halifax, funcionários do Serviço Secreto canadense e pessoal da marinha britânica levaram imediatamente ao Trotsky (sob instruções oficiais recebidas por cabograma de Londres em 29 de março de 1917)
para confiná-lo em Amherst, Nova Escócia, como prisioneiro de guerra alemão.
O cabograma advertia da presença de Trotsky em «Kristianiafjord [dizendo que deveria ser] retido à espera de mais instruções, [já que] esses socialistas russos viajam com o propósito de começar uma revolução contra o atual governo russo, em razão do qual, Trotsky levava consigo 10.000 dólares doados pelos socialistas».
Mas por que foi detido? «Porque o serviço secreto fora informado que Trotsky tiraria a Rússia da guerra, liberando assim aos exércitos alemães para atacar às tropas (...) da frente ocidental», matiza Eustace Mullins.
O que aconteceu depois, assemelha-se ao clima político atual no
erroneamente chamado o «Canadá Livre». Como no Canadá de hoje - a influência dos Rockefeller está atrás dos movimentos separatistas de Quebec, os políticos de
então estavam sob a influência da família Rockefeller.
Gyeorgos C. Hatonn no já citado livro Rape of the Constitution; Death of Freedom explica: «O primeiro-ministro Lloyd George enviou ordens urgentes, por cabo, de Londres ao Serviço Secreto canadense para que liberassem imediatamente ao Trotsky, mas aquele fez caso omisso. Trotsky foi finalmente liberado graças à
intervenção de um dos escravos mais fiéis ao Rockefeller, o ministro canadense Mackenzie King, um antigo "especialista em laborismo" dos Rockefeller. King obteve pessoalmente a liberação de Trotsky e destacou-o como emissário dos Rockefeller com a missão de ganhar a Revolução Bolchevique. Portanto, o doutor
Annand Hammer, que proclamava em voz alta sua influência na Rússia, como amigo do Lenin, teve um papel insignificante, em comparação com o respaldo que deu Rockefeller ao comunismo mundial.»
Por que o implacável John D. Rockefeller apoiou ao Trotsky? Porque Trotsky, o revolucionário bolchevique, como John D. e o resto de sua família advogava pela «revolução e pela ditadura mundial, por sua uniformidade ideológica
e seu compromisso com o internacionalismo liberal. Os bolcheviques e os banqueiros, então, têm algo em comum: o internacionalismo», explica uma e outra vez Anthony Sutton. Tanto Alien como o doutor Sutton chegam a mesma conclusão: a revolução e as finanças internacionais têm os mesmos objetivos
comuns: a erradicação dos poderes descentralizados, muito mais difíceis de controlar, e o estabelecimento de um Governo Mundial Único, um monopólio do poder que se perpetue no tempo.
Graças ao heróico trabalho das outras impressionantes obras do doutor Sutton, as provas da implicação dos Rockefeller na «organização, patrocínio e apoio
à revolução bolchevique são tão inumeráveis e avassaladoras que simplesmente não admitem discussão».
Possivelmente, poderia resumir o grau de crueldade com um exemplo: «Para os Rockefeller o socialismo não é um sistema para redistribuir a riqueza (e muito menos para redistribuir sua própria riqueza), a não ser um sistema para controlar às
pessoas e à concorrência. O socialismo, põe todo o poder nas mãos do governo. E como os Rockefeller controlam os governos, isso significa que eles têm o controle de fato, mesmo que você não saiba, não significa que eles não saibam!» Como
curiosidade, Trotsky se casaria depois com a filha de um dos banqueiros mais ricos, Livotovsky, quem também respaldou a Revolução Bolchevique.
Tecnologia americana nas mãos dos comunistas
Em 1926, a Standard Oil de Nova Iorque, do Rockefeller, e sua subsidiária, a Vacuum Oil Company, através do Chase National Bank, [29] «fechou um acordo para vender petróleo soviético nos países europeus». [30] Nesse momento se informou que John D. Rockefeller fazia um empréstimo aos bolcheviques de 75
milhões de dólares, «parte do preço do acordo». Como resultado do trato, diz Alien, «em 1927, o sócio secreto da Rússia, a Standard Oil de Nova Iorque, construiu uma refinaria de petróleo na Rússia». Portanto, John D. Rockefeller, conclui o autor, o caudilho do capitalismo, ajudou «à recuperação da economia
bolchevique». O Governo dos Estados Unidos não reconheceu oficialmente o Estado soviético até 1933. Como é possível que cidadãos privados, por mais ricos e
influentes que sejam, tenham colaborado com o regime soviético assassino, quando isso ia, explicitamente, contra da lei, segundo o Congresso dos Estados Unidos?
Além disso, não eram só cidadãos privados os que colaboraram na criação do monopólio soviético, mas sim, mesmo o presidente Wilson aprovou tal colaboração. O doutor Sutton acrescenta em seu livro, «este foi, o primeiro investimento dos Estados Unidos na Rússia da revolução».
Isto é o que o congressista dos Estados Unidos Louis McFadden, presidente do Comitê Bancário da Câmara de Representantes, que se opôs corajosamente aos
manipuladores do sistema da Reserva Federal na década de 1920 e 1930, tinha que dizer em um discurso aos congressistas em 10 de junho de 1932: «Abram os livros do Amtorg, a organização comercial do Governo soviético em Nova Iorque; os do
Gostorg, o escritório geral da Organização do Comércio Soviético; e os do Banco Estatal da URSS, e se surpreenderão de quanto dinheiro americano saiu do Tesouro
dos Estados Unidos em benefício da Rússia. Averíguem que transações se efetuaram entre o Banco Estatal da URSS e o Chase Bank de Nova Iorque.» Como nota à parte cabe assinalar que a persistente oposição do McFadden à Reserva Federal, uma entidade ilegal que controla o Tesouro dos EstadosUnidos,custou-lhe três atentados.
Finalmente, morreu em condições ainda não esclarecidas.
Conciliaram e ajudaram a construir o imponente poder dos soviets, o mesmo estado comunista que assassinou a uns setenta milhões de seus cidadãos? E que o poder na sombra responsável por isso era também a primeira família banqueira dos Estados Unidos
que representa os ideais da sociedade capitalista? Que os Estados Unidos transferiram secretamente à Rússia a tecnologia mais sofisticada e cara do momento, para assim criar um inimigo visível, para justificar os novos métodos decoerção e terror; e agora o fazem com a China, as custas de seus próprios compatriotas?
Tristemente, tudo isso forma parte do grande desenho da Nova Ordem Mundial. Para conseguir o Governo Mundial Único, controlado pelos globalizadores, devem unir-se diferentes nações. Para que o público geral aceite inicialmente os «benefícios» do Governo Mundial Único/CE, deve vender a idéia
de que tal união tem vantagens e benefícios, como que o bloco de comércio livre não suporá uma perda de soberania. O problema é que já hoje perdemos nossa soberania. O CE invadiu todos os aspectos de nossa vida, atando-nos uns tratados
desconhecidos, umas leis e umas regulações obscuras, muito difíceis de compreender. O Tratado de Maastricht é muito complexo e para entendê-lo minimamente deve ler-se em conjunção com o Tratado de Amsterdam, o Tratado
de Roma e a Lei Única Européia.
Será que os membros das Cortes tiveram tempo e os conhecimentos necessários para estudá-los? Quantos sabem realmente o que implicam? Como ilustração, só direi que no debate parlamentar, que houve na Inglaterra, a respeito
dos tratados mencionados (um passo que supunha, nada menos, que subtrair as liberdades aos cidadãos, para transferí-las ao organismo europeu), deu aos membros do Parlamento britânico um resumo de duas páginas de ditos tratados e
supõe-se que deveriam tomar uma decisão que se baseasse nesse único material.
Como se crê nessa cacarejada igualdade entre nações e simultaneamente se converte aos Estados Unidos em uma província mais da Nova Ordem Mundial?
Em primeiro lugar, usando o dinheiro dos contribuintes, o saber tecnológico e, tal como explica Gary Alien, «o equipamento do que só a gente dispõe, para alimentar à concorrência, e ao mesmo tempo, usar todas as matreiras estratégias imagináveis para debilitar e empobrecer a seu país» [31]; ao mesmo tempo, que se
fortalece ao inimigo, assusta-se à população dizendo-lhe que a cooperação é necessária porque sem acordos bilaterais o inimigo atacar-nos-á.
Agora já sabe por que, da Revolução Russa - que não foi um levantamento espontâneo - [32] os defensores da Ordem Mundial defenderam e efetuaram as políticas dirigidas a incrementar o poder da União Soviética. Em essência, a Comissão Trilateral de Rockefeller foi fundada para acelerar a consecução do objetivo globalizador.
O professor Anthony Sutton, o maior perito no estudo da contribuição da tecnologia ocidental à criação do Estado Soviético, oferece uma evidência irrefutável, de que a capacidade industrial e militar soviética plasmada em «caminhões, aviões, petróleo, ferro, petroquímicas, alumínio, ordenadores e demais, foi construída, às custas dos contribuintes americanos, para benefício da União
Soviética, o mesmo país que tinha jurado destruir aos Estados Unidos. Tudo com o propósito de fabricar um inimigo e criar a paridade que permitiria, eventualmente, a convergência em um Superestado, conhecido como Governo Mundial Único».
Como diz Gary Alien, «ninguém tentou sequer refutar as fortes palavras desse estudioso chamado Sutton».
Em Wall Street and the Bolshevik Revolution, Surton, afirma: «A tecnologia soviética não existia na realidade. 90-95 % procedia direta, ou indiretamente, dos Estados Unidos e seus aliados.» Quantos bilhões gasta os Estados Unidos para defender-se contra um inimigo fantasma, criado, alimentado e mantido por eles
mesmos? Os custos justificam os meios? Supostamente sim! Recorde, a Grande Fusão será controlada pelo mesmo Grupo Bilderberg-CFR-CT que está orquestrando entre os bastidores os blocos regionais e as uniões monetárias «temporárias».
«Embora pareça estranho - reflete Surton - parece que os Estados Unidos querem que o inimigo continue inimigo.» Sem um inimigo visível e justificável, nenhuma população, apesar da manipulação, cederá voluntariamente seus direitos e liberdades individuais. Sutton oferece milhares de provas documentadas de seus
achados. Por exemplo, a Marinha Mercante Soviética, no momento de escrever seu livro, era a maior do mundo, com 6.000 navios. Anthony Sutton declarou em 1972
ante um subcomitê do Partido Republicano para dizer: «Uns dois terços foram inteiramente construídos fora da União Soviética e quatro de cada cinco motores desses navios foram construídos também fora do país.
E continua Sutton, «todos os automóveis, caminhões, [armas, tanques, aviões] e tecnologia soviética procede do Ocidente. A organização Gorki, construída pelas empresas Ford e Austin, produziu a maior parte dos caminhões
utilizados para levar o armamento subministrado pelos soviéticos ao Ho Chi Minh.
As empresas de automóveis também podem utilizar-se para construir tanques. A mesma organização Gorki, sob o disfarce de um "comércio pacífico", produziu em 1964 o primeiro sistema antitanque guiado. Os soviéticos têm a maior montadora
de ferro e aço do mundo. Foi construída pela Corporação McKee. É uma cópia de uma fábrica de aço de Indiana, nos Estados Unidos».
Sutton sustenta que o governo dos Estados Unidos é responsável direto pelo assassinato de 100.000 soldados americanos, mortos por meio de tecnologia americana, como afirma de maneira cortante: «A única resposta de Washington e da Administração [dos Estados Unidos] é esforçar-se para esconder o escândalo.»
Nada do que digo tem sentido, se acreditarem nas mentiras propagadas pelo poder a respeito dos «malvados» comunistas. A não ser, é óbvio, que o comunismo seja um chamariz necessário, a ferramenta de uma conspiração muito maior para deixar o mundo nas mãos de multimilionários ávidos de poder, então tudo aparece perfeitamente lógico.
Rockefeller, entretanto, não é absolutamente um poder independente. Como explica Eustace Mullins em Murder by Injection: The Medical Conspiracy against America, «os Rockefeller operam sob esferas de influência claramente definidas. As organizações "caridosas", as empresas e os grupos de influência política, trabalham sempre conjuntamente. Nenhum departamento do Grupo toma iniciativas por si mesmo ou formula uma política independente. Não há justificação para isso, porque tudo funciona sob o controle da estrutura financeira mundial, o que significa que, qualquer dia, toda a abundância de uma pessoa ou organização pode ver-se reduzida a zero, mediante uma hábil manipulação financeira. Este é o controle final que assegura que ninguém possa sair da organização. Não só lhe retirariam todos os seus recursos, mas também, entraria imediatamente na lista de um capanga».
O congressista Larry McDonald, em seu prólogo ao livro O expediente Rockefeller, escreveu: «Esta é uma exposição concisa e arrepiante, da que foi certamente a história mais importante de nosso tempo: a idéia dos Rockefeller e seus aliados de criar um Governo Único Mundial que combine o super-capitalismo
e o comunismo sob um mesmo teto, tudo sob seu controle [...] os Rockefeller e seus aliados levam ao menos cinqüenta anos seguindo um cuidadoso plano para controlar os Estados Unidos e o resto do mundo; fazendo-se com o poder político através de seu poder econômico.» Em 31 de agosto de 1983, McDonald morreu em um «acidente» a bordo de um avião comercial do Korean Airlines 007 em espaço aéreo soviético.
Capitulo da obra O Clube de Bilderberg - Daniel Estulin