Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A “Respública” dos Alijados – Retrato do Brasil do Século XXI

O momento histórico que passa a américa latina e o Brasil se insere nesse contexto, não é um momento pontual do hemisfério sul, mas do planeta como um todo.
Podemos contextualizar as transformações globais a partir de dois eventos, o final da 2ª guerra mundial para ser mais profundo na análise ou a partir da queda do muro de Berlim para ser mais objetivo e sucinto nessa redação. Opto em ficar com o período mais curto da cronologia.
O Muro de Berlim foi derrubado, o socialismo soviético foi extinto e a ilusão de que a bipolaridade capitalismo/socialismo havia sido vencida pelo capitalismo e o sistema democrático. Ledo engano, pois ficou claro ao longo das últimas décadas a reestruturação e a opção sutil dos socialistas/marxistas em se render e praticar o que era menos violento a sua proposta falida e extinta, a Social Democracia (Fabianismo).
Rússia, países da extinta cortina de ferro e até países do 3º mundo do continente africano e latino americano virão nessa alternativa uma forma de continuar buscando a utopia marxista através de outra corrente teórica que bebia na fonte capitalista e conseguia de alguma forma ludibriar a sociedade com a imagem de que o marxismo não deu certo e agora tudo seria regido pelo capitalismo liberal e a democracia.
A Social Democracia, galho da grande arvore do Marxismo concorreu paralelamente à instalação da experiência socialista soviética em outros países europeus após o termino da 1ª guerra mundial (ou europeia?) como ocorreu na República de Weimar, extinta após a chegada do Nacional Socialismo ao poder e reverter o caos promovido pelo Social Democracia no pós guerra e que não se mostrou eficiente em desenvolver o país e muito menos sua sociedade.
A democracia e o sistema econômico capitalista foram e ainda são as ferramentas primordiais da Social democracia para enganar a sociedade, onde por trás do discurso existe sempre um projeto de poder avalizado pelo voto democrático e a economia é sangrada através de programas sociais de redistribuição de renda, o que faz com que a sociedade produtiva seja engessada e refém do Estado devido ao forte e agressivo intervencionismo estatal na economia e outros setores essenciais da sociedade, banindo gradualmente a iniciativa privada e a liberdade, primordiais na legitimação da democracia.
Promoveram e promovem uma censura e controle social através do judiciário com a implementação de centenas de leis e estatutos reformistas da constituição para se apoderar do controle e estagnação do judiciário.
Dentro do contexto de avanço da Social Democracia, as agendas Gramscistas foram aplicadas e com sucesso parcial ou absoluto em vários países, sendo o Brasil está incluso nesse rol.
A extinta União Soviética fragmentada em estados independentes, os Estados Unidos, seu grande rival durante décadas, passaram a adotar a mesma linha ideológica. A China com suas exceções, também emplacou parcialmente a Social Democracia no que sempre foi o maior paraíso comunista do planeta.
O 3º mundo (América Latina e África) se mantiveram entre a cruz e a espada e tentando se adequar à nova realidade formatando dois grupos rivais, o Foro de SP formado pelas viúvas da extinta URSS e ligadas a ditadura castrista de Cuba, no que tange aos países latino americanos e por tabela para alguns países africanos como África do Sul, Angola...
Paralelamente, o Diálogo Interamericano fazia concorrência a formação desse bloco ligado ao socialismo clássico com algumas inovações práticas e estava ligado diretamente a social democracia euro americana. O processo de difusão nos anos 90 com ajuda da ONU e através do seu discurso romântico e atraente conseguiu atingir seus objetivos de alcançar o poder em vários países.
Com a mesma estratégia de fomentar crises para salvar a sociedade e se perpetuar no poder, esqueceu que não tinham culpados para justificar o fracasso de suas gestões e a máquina do socialismo via Foro de SP se estruturava através de movimentos sociais, igreja, intelectualidade, mídia, sindicatos para fazer frente na batalha de alçar ao poder.
As negociações de bastidores entre os dois grupos se fizeram realizar quando vemos a enxurrada de presidentes eleitos ligados ao Foro de SP, no Brasil, Equador, Venezuela, Bolívia, Uruguai, Paraguai, Argentina, Peru, Nicarágua.
Nos Estados Unidos com o presidente duvidoso Barack Obama, assistimos à implantação de projetos idênticos aos praticados pela batuta dos presidentes ligados ao Foro de SP, como os tais projetos sociais e os elogios rasgados para presidentes latino americanos que sabemos serem apedeutas e apenas marionetes de cúpulas partidárias que governam na pratica.
Dentro desse emaranhado de projetos globais e regionais, o Brasil, assim como outros países estão reféns desses que prometem no discurso respeitar a democracia e governar para a nação, mas na prática se torna um leviatã com um apetite voraz de poder e enriquecimento próprio e com um senso de transformação e intervencionismo animalesco sobre a sociedade.
O que pensar, fazer, que rumo tomar... Eis algumas das questões que alguns poucos pulverizados na teia de diversos socialismos se fazem, já que o trabalho de décadas de subversão, reformismo social e criação de gerações de idiotas uteis já se fazem presentes e corroborando para o sistema.
Diante dessa teia socializante do politicamente correto (Gramsci/Teóricos de Frankfurt), Social Democracia, intervencionismo estatal e emburrecimento em massa é que ainda assistimos doutrinados e desinformados acreditando em um EUA/Obama capitalista, que já não é há mais de 5 anos, uma Argentina que elegeu um centro direita/Social democrata sem maioria no congresso para combater e desmanchar a estrutura socialista implementada por 16 anos... fora outros exemplos dos mais diversos e por outros países do mundo.
Está cada dia mais difícil encontrar logica, coerência e principalmente bagagem de conhecimento nas pessoas, o que faz desacreditar em uma mudança e uma evolução da sociedade através do livre arbítrio e da opinião individual formada pelo conhecimento, portanto vitória de goleada para a subversão, formação de coletivismo idiota e da paciência do projeto socialista que acreditou no projeto e sem prazo determinado está colhendo seus frutos de uma “luta” que já se aproxima de um século para tornar o tal marxismo internacional uma realidade global.
E aqueles que não se inserirem nessa teia e nos moldes impostos estão alijados do sistema e da sociedade em qualquer que seja sua área de atuação!