Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Socialismo? Só se for pleno!

Os socialistas já tentaram, e várias vezes, colocar sua ideologia em ação. O socialismo foi aplicado na União Soviética, em Cuba, na China (antes de Deng), na Coreia do Norte, no Camboja, na Etiópia e no Zimbábue e em vários outros regimes menos famosos.
Em cada caso, sem exceção, o resultado foi miséria econômica e autoritarismo político.
Mas os socialistas mais obstinados se recusam aceitar. "Não julgue o comunismo com base apenas nestes resultados!", dizem eles. "O socialismo verdadeiro simplesmente nunca foi tentado."
O socialismo não funciona, a menos que seja o socialismo puro
Recentemente, ninguém menos que Noam Chomsky veio a público dizer que o regime da Venezuela — o mesmo que implantou controle de preços, estatizações, expropriação de propriedade privada, generosos programas assistencialistas e planejamento centralizado (ver aqui) — não tem absolutamente nada de socialista:
"Eu nunca descrevi o modelo de capitalismo de estado de Chávez como 'socialista'; nem sequer insinuei algo tão absurdo assim. O regime não tinha nada a ver com o socialismo. O capitalismo privado permaneceu livre ... Os capitalistas continuaram livres para solapar a economia de todas as maneiras, como por meio de uma maciça exportação de capital."
Portanto, o raciocínio dos socialistas é o seguinte: o socialismo só irá funcionar se ele for progredindo até chegar ao ponto do "socialismo total". Qualquer outro arranjo que não seja o socialismo pleno — no qual não haveria uma única padaria privada — é inaceitável. Nenhum esforço parcial será suficiente.
E todos os experimentos socialistas só fracassaram porque alguns elementos do "capitalismo privado" continuaram funcionando. Enquanto ainda existir qualquer aspecto econômico que não seja de socialismo pleno, então o regime não é socialista.
Mais ainda: o fracasso das políticas socialistas do regime venezuelano — tais como a expropriação de empresas privadas (até mesmo hotéis) e a expansão de indústrias estatais — deve ser atribuído ao capitalismo, e não ao socialismo.
Naturalmente, conclui o raciocínio, se o socialismo pudesse chegar ao seu estágio pleno — com todos os elementos do capitalismo eliminados — saberíamos que este sim seria o socialismo de verdade porque estaríamos vivendo em uma sociedade marcada por uma prosperidade sem precedentes e por uma igualdade total.
Pouco importa que, para todos os propósitos e intenções, Lenin de fato alcançou a quase completa e total estatização da economia durante a Guerra Civil da Rússia em 1922. Como as pessoas começaram a morrer de fome logo em seguida, Lenin recuou e, em vez do socialismo pleno, adotou o socialismo parcial, sob a sua assim chamada "Nova Política Econômica".
Este exemplo prático de Lenin é, claro, firmemente ignorado. E socialistas inflexíveis, como o próprio Chomsky, vivem repetindo que meras medidas parciais não funcionam para o socialismo, e que apenas o socialismo total pode funcionar. Qualquer coisa que não seja socialismo pleno, ao que tudo indica, irá entrar em colapso, como mostra a Venezuela.
Sim, o governo pode até estatizar e confiscar várias empresas, fábricas, indústrias e até mesmo pontos de comércio, como aconteceu na Venezuela. No entanto, a menos que o estado confisque absolutamente cada lojinha e mercearia, não há socialismo real. Consequentemente, não se atreva a culpar o socialismo quando toda a economia, após todas essas medidas, entrar em colapso. Toda a culpa deve ser atribuída aos resquícios de capitalismo.
A mesma lógica não precisa ser aplicada ao liberalismo laissez-faire
Observe, no entanto, que isso não é um problema quando ocorre na direção oposta. Se pegarmos uma economia que sofre intervenções do estado e começarmos a introduzir reformas liberais parciais, isso por acaso fará a economia entrar em colapso?
Certamente não. Com efeito, a própria análise empírica mostra que, quanto menos relativamente socialista for uma economia, menor será a pobreza e maior será a prosperidade.
Historicamente, isso é óbvio. Os países que adotaram mais cedo o livre comércio, a industrialização, e as instituições de uma economia de mercado são hoje as economias mais ricas do mundo. Isso também ocorreu na Europa do pós-guerra, onde as economias relativamente mais pró-mercado, como as da Alemanha e do Reino Unido, são mais ricas e têm um padrão de vida maior do que as economias mais socialistas do sul da Europa, como Grécia e Espanha. Com efeito, isso também vale até mesmo para os países escandinavos, como a Suécia, que enriqueceram ao longo da história adotando regimes bem próximos ao laissez-faire.
E tudo isso fica ainda mais evidente quando comparamos a Europa Ocidental com o Leste Europeu.
Em nenhum destes casos encontramos uma economia de livre mercado puro ou uma totalmente socialista. O que observamos, no entanto, é que, quanto mais mercado e menos socialismo há em um país, maior o padrão de vida, menor a desigualdade, e muito menos brutal é a pobreza geral.
Dito de outra forma, naqueles países que se inclinam mais para o mercado, tudo é melhor e mais desenvolvido.
Isso também é válido para a Ásia. Coréia do Sul e Japão estão longe de ser economias puramente de livre mercado. As economias de ambos os países são caracterizadas por uma grande variedade de restrições comerciais, ligações corporativistas entre governo e grandes empresas, e um maciço aparato regulatório. No entanto, Coreia do Norte e Vietnã, que são muito mais pobres, sempre tiveram uma participação estatal muito maior na economia — com o governo sendo o proprietário de várias empresas no Vietnã e de todas na Coreia do Norte — e um setor privado muito menor em relação aos do Japão e da Coreia do Sul.
E, ainda assim, pela lógica dos socialistas, o problema com a Coreia do Norte e com o Vietnã é que eles não têm socialismo pleno. Se tais países ao menos pudessem se livrar dos poucos capitalistas que, como disse Chomsky, "ainda estão livres para solapar a economia", então a Coreia do Norte finalmente irá se tornar próspera, e o Vietnã passará a rivalizar com o Japão em termos de produtividade e riqueza.
É claro que isso é um contra-senso total. Se a Coreia do Norte quiser ter menos pessoas passando forme, ela tem reduzir substantivamente o socialismo em sua economia, como fez a Coreia do Sul.
Mesmo reformas incompletas e parciais funcionam em economias de mercado
Ao contrário do socialismo, reformas de mercado não precisam ser totais, completas ou utópicas para que seus benefícios sejam reconhecidos.
É por isso que defensores de uma economia de mercado não precisam dizer que "as reformas de mercado não funcionaram no País X porque aquele país nunca alcançou o estágio do capitalismo pleno, puro e verdadeiro! Se ao menos todos os socialistas tivessem sido liquidados e todas as políticas remotamente semelhantes ao socialismo tivessem sido abolidas, aí sim o verdadeiro capitalismo seria adotado!"
Vimos isso na Alemanha Ocidental após a Segunda Guerra Mundial com as reformas efetuadas por Ludwig Erhard, as quais levaram a um período de acelerado crescimento econômico, mesmo com as reformas tendo sido apenas parciais. Ao abolir os controles de preços e outras restrições impostas pelo governo à economia, a Alemanha decolou ao passo que outras economias mais socialistas — como a do Reino Unido à época — ficaram estagnadas. Já a Alemanha Oriental, socialista, viu seu padrão de vida encolher ao longo deste mesmo período de tempo. 
A Alemanha Ocidental não adotou um capitalismo "puro e pleno". Os alemães adotaram um arranjo economia relativamente mais laissez-faire que o resto da Europa. E a economia cresceu forte. Com efeito, as reformas de mercado feitas pelo governo da Alemanha Ocidental ocorreram quase que por acidente. E, ainda assim, chamamos os resultados de "o milagre alemão".
Outro exemplo moderno é a América Latina. Quando olhamos para a região como um todo, vemos seguidas vezes que os regimes que adotaram reformas pró-mercado até mesmo parciais e incompletas — como Chile, Peru e Colômbia — são os países que vivenciaram as maiores taxas de crescimento econômico da última década.
Enquanto isso, aqueles países que mais entusiasmadamente adotaram a "onda vermelha" — cujos governantes eram aliados do chavismo e seu bolivarianismo — tiveram as piores taxas de crescimento (2014-2015):
Latin_america_economy4 (1).png 
[N. do E.: sobre Equador e Bolívia, que utilizam, respectivamente, o dólar e uma moeda atrelada ao dólar (na prática, refutando a própria retórica anti-imperialismo) e dão bastante liberdade para o mercado informal.
Mas qual é a desculpa para a falta de crescimento econômico na Argentina, no Brasil e na Venezuela? Todos esses países, na última década, adotaram o populismo econômico: mais ativismo estatal, mais regulação estatal, mais intervenções estatais, e mais controle estatal sobre a economia. Logo, por que estes países não ultrapassaram os outros países latino-americanos mais voltados para o mercado?
De acordo com a lógica socialista, o verdadeiro problema é que nenhum destes países adotou o socialismo total.
Isso é muito gostoso: toda vez que algumas reformas socialistas são tentadas — e fracassam —, a ideologia já tem uma justificativa pronta: o socialismo só irá funcionar quando for implantado por completo.
Agora, apenas imagine qual seria a situação da humanidade se o mesmo raciocínio fosse válido para uma economia de mercado. Dado que nenhuma ideologia jamais será implantada por completo, isso significa que a humanidade estaria condenada a viver para sempre na mais abjeta e sórdida pobreza.
Felizmente, reformas de mercado meramente parciais e casuais já conseguem melhorar nossa situação. Infelizmente, governos estão sempre comprometidos em nos empurrar para a direção errada, com sua manipulação da moeda e do crédito, seus controles de preços, e suas crescentes regulações e tributações.
Os ataques aos mercados são contínuos e generalizados. Felizmente, todo o necessário para melhorar a situação novamente é um movimento de contra-reação que leve a economia de volta em direção a mercados mais livres.
Todos faríamos bem em estudar e aprender as lições do Leste Europeu, da Alemanha Ocidental, da América Latina e de todos os outros regimes que, de forma relutante ou voluntária, saíram da frente e deixaram o mercado funcionar com mais liberdade.
Os socialistas podem continuar sonhando com a maneira como seu prometido paraíso será realizado no dia em que o socialismo pleno e puro for alcançado. Enquanto isso, na vida real, a economia de mercado continuará aprimorando a situação e o padrão de vida de bilhões de pessoas.
Ryan MacMaken