BUNKER TV

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

COMUNICADO DO BUNKER


À PARTIR DE 01/09/15, o BUNKER TV E BUNKER WEB RÁDIO estarão em atividade simultaneamente em horários pré estabelecidos.
WEB RÁDIO: DE MEIO DIA À MEIA NOITE
WEB TV: de 2ª à 6ª das 14hs à meia noite.
Sábados das 19hs à meia noite
Domingo das 15hs às 22hs
A programação do BUNKER TV você encontra em:
https://www.facebook.com/bunkerdacultura

BATE PAPO DAS 4ª - RADIO DA TERRA 26.08.15 - Marlon Adami e Francisco Cruz by Dj Marlon Adami on Mixcloud

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

A Batalha de Confetes


Como a população brasileira, estamos assistindo a uma pantomina de disputa entre ladrões, corruptos, golpistas e malfeitores.
Quem vencerá?
Aparentemente, todos.
Alguns sofrerão algumas equimoses, outros, um desconforto muscular, porém ao término, todos poderão vangloriar - se pelas retumbantes vitórias.
Mas quem poderá perder algo?
De fato, só o povo brasileiro, que já está atolado em cerca de 38 % de seus vencimentos e ganhos para sustentar os ladrões, corruptos, golpistas e malfeitores.
Não sabemos se os ônus com o aumento sensacional do valor das multas de trânsito e o aumento do valor dos pedágios, sem contar o número espantoso de postos de pedágio criados recentemente, estão embutidos nos 38%.
É provável que não.
A nação está mergulhada em fracassos econômicos e no bate-boca entre os disputantes; o que importa para eles, de fato, é a tomada do poder e como cada grupo poderá alcançar acachapantes vitórias, o Brasil poderá ser dividido igualmente entre eles.
Sabemos como o país é grande, tanto que desde 1940 já poderia ocupar um lugar de destaque no cenário Internacional, contudo pelos embromadores ocupantes dos postos de mando vai remando e, por vezes, como agora, regride.
Esta é mais uma crise entre muitas que infestarão de miséria as nossas tradições.
Ao contrário dos otimistas, imaginando uma facção que poderá ter uma vitória mais significativa sobre qualquer uma das outras, infelizmente, os viventes aqui das cavernas, talvez por ignorância, não imaginam o que de positivo poderá ocorrer para o povo.
Vença quem vencer, a trolha em nossos traseiros perdurará.
Alguns nacionalistas têm a leve esperança de que o PT sofra algumas porradas, e que nos próximos anos sua influência seja um pouco menor. Não muito menor, é obvio.
Não acreditamos na diminuição dos impostos, no crescimento da honestidade, da coragem ou da cidadania.
Na verdade, o atual cenário é de desavenças, no qual ladrões acusam patifes, golpistas atacam corruptos e nenhum dos grupos está se empenhando na salvaguarda da pátria.
Na prática, cada lado busca enfraquecer o outro para avançar o seu, cada vez mais.
Mas por quanto tempo durará a contenda? Nem o Saci Pererê sabe.
Existe a possibilidade de os grupos pelejantes chegarem a algum acordo? Depende.
Sabemos que os ladrões, corruptos, golpistas e malfeitores possuem suas ambições, e se uma raposa velha souber dividir a cornucópia nacional, de riquezas, de desonestidade, de impunidade e de desigualdades entre eles, o acordo será atingido e tudo seguirá em frente.
Mudanças, só nos nomes e alcunhas daqueles que nos farão de reles e submissos pagantes de suas mordomias e riquezas.
Oxalá, nós, trogloditas das cavernas, sejamos atropelados pela ocorrência de fatos totalmente novos e diferentes do que testemunhamos há décadas.
A impunidade é uma tradição incrustada em nossa sociedade e dificilmente será expulsa pelas gloriosas autoridades que hoje disputam o poder e as riquezas nacionais.
Brasília, DF, 13 de agosto de 2015
Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Declaração Final da Reunião XXI do Foro de São Paulo, Cidade do México DF

Declaração Final da Reunião XXI do Foro de São Paulo, Cidade do México DF
Membros do partido FSP, reunidos na cidade de Cidade do México de 29 de julho 01 de agosto de 2015 sob o lema "Igualdade, igualdade, justiça social, desenvolvimento sustentável e soberania, sinais de mudança das Américas," nós a conhecer a nossa posição sobre várias questões relacionadas com a situação internacional e da nossa grande pátria latino-americana e caribenha.
Agradecemos aos membros dos partidos mexicanos FSP, especialmente o Partido da Revolução Democrática (PRD) e do Partido Trabalhista (PT), por sediar a vigésima primeira reunião, desta vez nos países da América Latina e Caribe buscam aprofundar a integração regional Com base nos princípios da solidariedade entre os povos, cooperação para o desenvolvimento e complementaridade, a justiça social, a democracia ea participação popular.
A celebração no atual momento histórico na América Latina e no Caribe, o XXV aniversário da criação do FSP, fruto da iniciativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva eo líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, Eles nos permitem confirmar, com o avanço inquestionável das forças de esquerda na região, o significado histórico da fundação deste grupo de partidos e movimentos políticos.
O Fórum tem contribuído significativamente para a realização desses empreendimentos como e agora que o imperialismo e as oligarquias nacionais para o seu serviço de continuar e aprofundar o balcão com o expresso propósito de restaurar o poder às forças conservadoras de direita, o fato de que América Latina e Caribe deixou ficar juntos neste projeto torna-se particularmente eficaz e constitui um dos principais entraves para o futuro de nossos povos precisam.
Após 25 anos da criação da FSP, uma das experiências mais bem sucedidas e unificadores da esquerda na região da América Latina e do Caribe e do mundo, o balanço da situação política na região é favorável às forças políticas que compõem . Quando foi criado o FSP, um país nessa região, Cuba, foi governado por um partido pertencente ao Fórum, e hoje, além de Cuba, estão nos governos da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Equador, El Salvador, Nicarágua , Uruguai e Venezuela, aos quais é preciso acrescentar centenas de governos subnacionais. À esquerda, com diferentes processos de acumulação, nos últimos anos não tenha perdido as eleições em qualquer país da América Latina, depois de ter vencido. A esquerda tem sido revalidar sua representação nas sucessivas disputas eleitorais e foi deslocado por golpes quando o direito não pôde acessar o governo por meios democráticos, como em Honduras e no Paraguai. Hoje a América Latina não é mais uma época de mudanças, mas uma mudança de era.
Confrontado com enormes desafios, revolucionário e progressista continente deve reafirmar a nossa convicção de que a defesa do que foi conseguido até à data, independentemente das limitações que aparecem no histórico e erros que podem comprometer os protagonistas desses processos de lutas é uma dever inescapável; ser claro que o nosso principal inimigo é o imperialismo ea oligarquia direito Aliado a isso e serve os seus interesses para além da sua própria, e para obscurecer as conquistas econômicas, políticas e sociais, e conseguiu; e, portanto, a soberania ea independência nacional conquistado.
Unidade na diversidade, ea construção de grandes blocos em torno de um projecto político comum, são pré-requisitos para continuar a travar e vencer essa luta. Anti-imperialismo e defesa das identidades nacionais e regionais em torno da construção de um novo modelo político e social, para a penetração econômica e ideológica das potências imperiais, eles devem ser as colunas que abraçam os homens e mulheres que se sentem comprometidos com o ideais dos pais fundadores da nossa independência.
Nesta conjuntura, é muito importante que os partidos políticos de esquerda continuam mecanismos de articulação e canais de comunicação e relacionamento com os movimentos sociais. Nós reconhecemos as contribuições significativas desses movimentos para o atual processo de transformação, que em alguns casos são claramente na vanguarda das mudanças revolucionárias, e denunciar a política imperialista de penetração em certos organizações representativas da esfera social.
O FSP reconhece e respeita a presença da luta dos povos indígenas como contribuições legítimos para outro mundo e como próprias diversas alternativas. Os povos indígenas defender o património territorial das Américas contra megaprojetos extrativistas neoliberais que destroem a Mãe Terra. Reconhece e respeita o exercício dos direitos ancestrais e históricos coletivos, os valores da vida da comunidade e respeito pela Mãe Terra, e as suas próprias formas de exercício social, político e democrático de cada povo indígena.
Uma nova alternativa ao neoliberalismo que quebra o sistema capitalista e superar modelo económico e social deve conter um atributo essencial: a ruptura com sistemas existentes ainda patriarcal organização social e política. Neste quadro, o FSP está empenhada em plena igualdade de todas as pessoas e exigir a garantia de seus direitos humanos, independentemente de gênero, orientação sexual e identidade de gênero. Além disso, o FSP está comprometida com políticas públicas e ações afirmativas para as pessoas de ascendência Africano.
O FSP membros do partido reconhece que, para alcançar uma sociedade verdadeiramente justa e equitativa é essencial a presença ea participação das mulheres em diferentes setores da sociedade. É necessário alterar os papéis tradicionais e padrões que foram historicamente atribuídas e tomadas de forma diferente por homens e mulheres, a partir de uma perspectiva despatriarcalizadora; as condições para a plena emancipação das mulheres para banir a base da discriminação e da violência contra as mulheres e eliminar as disparidades de género que ainda existem em nossos países devem ser criados. Políticas e estratégias de nossos partidos deve garantir de jure e de facto empoderamento das mulheres em condições de igualdade, a paridade de participação, tanto em público como em privado. Ele continua a ser um desafio para os partidos de esquerda e reconhecimento revolucionário da agenda feminista como um eixo transversal da incorporação da agenda das mulheres e devida perspectiva de gênero nas políticas, programas e ações que são projetados para lutar contra o direito do opressor, o capitalismo predatório e patriarcal, eo contador imperial estes tempos.
Os processos progressistas e de esquerda realizadas na América Latina e no Caribe representam praticamente uma exceção em um mundo que se move num momento de declínio relativo da unipolaridade americana a uma situação multipolar num contexto de crises e conflitos econômicos, sociais e políticos Armado com implicações globais, tais como agressão e atacar o Governo de Israel para os territórios palestinos, em particular, os ataques a Gaza EUA e da OTAN no Iraque e Líbia, que levaram ao crescimento de grupos armados fundamentalistas como "Estado islâmico" (EI) e agressão externa multinacional contra a Síria. Interferência externa na Ucrânia também é desenhado a partir da aliança entre os EUA ea UE com neonazistas, que visa isolar grupos Rússia. As contradições entre a aliança ea independência de determinadas regiões do leste da Ucrânia provocaram o confronto com o exército deste país. Ucranianos condenam os ataques contra civis e exigir um cessar-fogo imediato. O FSP exige o pleno respeito da soberania da Ucrânia.
Estes conflitos são expressões do novo desenho geopolítico mundial onde os Estados Unidos tenta afirmar a validade da hegemonia ou reagir às pressões. Iraque é disputada uma das principais regiões produtoras de petróleo. No caso da crise na Ucrânia não é uma reação do governo Putin para rejeitar provocações da organização militar da NATO em caráter agressivo e expansionista, a realização de exercícios militares reforçar o controlo das fronteiras com a Rússia. Em resposta a sanções impostas pelos os EUA ea União Europeia para a Rússia, o governo deste país decidiu aproveitar a compra de alimentos nessas economias. Esta medida afeta fortemente os agricultores nesses países e incentivar novos fornecedores, especialmente os países agro-exportador da América Latina.
Reafirmamos nosso compromisso com o conteúdo de declarações anteriores, incluindo o XX Encontro realizado em La Paz, Estado Plurinacional da Bolívia, em agosto de 2014. Apoiamos a criação de um Estado palestino em conformidade com as resoluções das Nações Unidas, com soberania sobre os territórios ocupados por Israel desde 1967, nos solidarizamos com a luta do povo saharaui está dirigindo a Frente Polisário eo RASD pelos direitos territoriais que têm e estão sendo negados pela monarquia marroquina desde 1975. Nós também chamamos o Conselho de Segurança e outros organismos de controlo da monitorização dos direitos humanos nos territórios ocupados do Reino de Marrocos ONU. Saudamos o Presidente da República saharaui, Mohamed Abdelaziz, e instamos os governos das Américas para reconhecer este governo que permite a abertura de embaixadas em seus países.
A este respeito, também apoiamos a total independência de Porto Rico e exigir a libertação imediata de Oscar Lopez Rivera e condenar todas as formas de colonialismo, em particular a persistência da dominação européia sobre países como a Martinica, Guadalupe, Aruba, Bonaire, Curaçao, Ilhas Virgens Americanas, St. Barthelemy, Anguilla, Montserrat, Ilhas Virgens Britânicas, Bermudas, Ilhas Turks e Chaves, Ilhas Cayman, St. Eustatius, St. Maarten e Guiana Francesa chamada e reafirmam o seu direito à autodeterminação. Da mesma forma, exigimos a recuperação da soberania da Argentina sobre as Ilhas Malvinas como uma causa América Latina e Caribe. Também expressamos nossa vontade inequívoca para manter a América Latina eo Caribe como uma região de paz e livre da guerra, com as relações de cooperação e de complementaridade entre os nossos países. A este respeito, tal como sugerido pelo Papa Francisco, apoiamos qualquer iniciativa que vise a superar, com base no diálogo e no respeito pelo direito internacional, a disputa boliviana-chilena por um acesso soberano da Bolívia ao mar.
Expressamos a nossa solidariedade com o povo da República Dominicana, por ocasião do 50º aniversário da invasão e ocupação militar liderada pelos Estados Unidos em abril de 1965.
Neste contexto de confrontos militares, há também uma ofensiva das forças capitalistas neoliberais eo imperialismo, através de suas corporações multinacionais, empresas e bancos internacionais, procurando controlar os recursos naturais, especialmente florestas, mares e fontes água, gerando conflitos sócio-ambientais, territoriais e culturais e sistematicamente violam os direitos dos camponeses, indígenas e afro originários dos cinco continentes, as comunidades devem ser consultados de acordo com a declaração das Nações Unidas sobre os direitos coletivos povos indígenas, a fim de respeitar os seus direitos sobre a terra.
Os recentes desenvolvimentos na Europa confirmaram a verdadeira natureza político da UE e do seu modelo de integração - um processo que processa distintamente em nossa América Latina, é caracterizada pelo seu objectivo de dominação econômica e política de grandes grupos multinacionais e um diretório de poder cada vez mais arrogante, violento e intransigente, como ficou demonstrado no caso da Grécia. O caso grego tem demonstrado que "a solidariedade ea coesão" da UE não existe. Expressamos a nossa solidariedade para com os trabalhadores e os povos gregos e da Europa na resistência contra as imposições da UE, na sua luta para defender os seus direitos sociais e trabalhistas alcançados por décadas de luta contra a privatização das funções sociais e estatais sectores estratégicos das economias nacionais, em defesa da democracia e da soberania nacional. Uma vez que o FSP denunciamos o processo de redução das liberdades e da escalada da repressão no Estado espanhol, que tem como objetivo neutralizar a ascensão do favor popular de justiça social e movimentos mudança política. A nova Lei de Segurança Pública, popularmente conhecida como a "Lei da Mordaça", do Código Penal e outra legislação que reintroduzir de facto prisão perpétua, associada a uma linha de clara má utilização das unidades especiais de intervenção da polícia são a expressão Este clima claramente apontou. Os povos da Espanha e da Grécia mostrou que é possível inverter as tendências de voto que fortaleceram as políticas anti-democráticas e anti-pessoas de ajustes fiscais.
O FSP lutar para defender o meio ambiente, recursos naturais, oceanos, florestas, água, hidrocarbonetos, biodiversidade rica e extensa e os direitos da Mãe Terra. Além disso, a luta contra os impactos desastrosos do aumento dos gases de efeito estufa, no caminho para a COP-21 em Paris em dezembro de 2015 sobre as alterações climáticas, à procura de um acordo e os compromissos globais para impedir a deterioração de nossa Mãe Terra, além de promover uma economia sustentável, cultura produtiva renovável sustentável, com práticas de solidariedade e bem viver e viver bem, superando o tipo de economias primárias exportadores sujeitos ao mercado mundial e fomentando políticas para facilitar o desenvolvimento de processos de industrialização que geram empregos decentes para nossos países.
Nesse sentido, expressamos nossa solidariedade com o protesto do Governo e do povo do Equador em sua luta contra a petrolífera Chevron transnacional posição ecológica, humanista e causou tanto dano ao Amazonas e seus vários povos.
Apoiamos os esforços para continuar a incentivar a participação dos partidos políticos à esquerda do Caribe na FSP, visando uma maior integração entre os nossos partidos, movimentos e povos.
No momento da colheita dois elementos políticos de extrema importância. Um deles é a continuidade no avanço inegável forças progressistas e de esquerda na América Latina e no Caribe. Parabenizamos o povo da Bolívia, Brasil e Uruguai para as vitórias venceu nas eleições presidenciais de 2014, com as respectivas fórmulas eleitorais Evo Morales e Álvaro García Linera, Dilma Rousseff e Michel Temer e Tabare Vazquez e Raul Sendic.
Manifestamos o nosso apoio e confiança na liderança histórica da Revolução Cubana e do Partido Comunista de Cuba, liderando o processo de actualização do modelo económico e social para a consolidação de um socialismo próspero e sustentável, com grande importância estratégica e económica para a país e em toda a América Latina e no Caribe.
Congratulamo-nos com as recentes vitórias de Cuba, como a liberdade dos cinco heróis cubanos que foram presos nos cárceres dos Estados Unidos para combater o terrorismo praticado contra o povo cubano, ea remoção de Cuba na lista de países que patrocinam o terrorismo.
Apoiamos a decisão soberana de Cuba para restaurar relações diplomáticas com os EUA, no caminho para uma eventual normalização das relações bilaterais sem fazer quaisquer concessões aos princípios defendidos pela Revolução através de mais de 56 anos. Tem esse evento importante, o resultado da resistência do povo cubano e continuando a solidariedade de seus irmãos norte-americanos e caribenhos. De acordo com o presidente dos Estados Unidos a si mesmo, Barack Obama, em seu discurso de 17 de dezembro do ano passado, a política de isolamento de Cuba reivindica "provocou o isolamento regional e internacional" dos EUA.
No entanto, o bloqueio criminoso, injusto e desumano comércio, financeira e económica na ilha continua e, embora o povo e governo cubanos conseguiram ter sucesso, temos de continuar a nossa luta para o levantamento do cerco. Nós também deve se esforçar para impedir a aplicação das leis extraterritoriais com o qual os EUA procuram exercer pressão sobre os governos e as empresas com as mulheres na ilha, e também para a desativação da base militar dos EUA em Guantánamo eo retorno desse território à soberania de Cuba .
Saudamos a mensagem social e espiritual do Papa Francisco, o primeiro papa latino-americana, durante a sua viagem para o Equador, Bolívia e Paraguai, convidando a luta social por terra, à moradia e trabalho decente para todos os movimentos, e convidando a juventude para protestar contra efeitos de resolver os problemas que enfrentam.
Na América Central a situação política em que a esquerda são combinados no governo (FSLN na Nicarágua e na FMLN em El Salvador), crescendo e espaços institucionais importantes nas mãos da esquerda (livre em Honduras ea Frente Ampla vem em Costa Rica), e expressões de luta popular em massa contra o poder da oligarquia, que entrou em uma grave crise de legitimidade, desencadeada por escândalos de corrupção (Honduras e Guatemala), denunciando os regimes militaristas que Honduras e Guatemala Eles continuam a matar sistematicamente e tomando prisioneiros para líderes políticos e sociais da oposição, e ambos os autores materiais e intelectuais, permanecem impunes.
Nós condenamos a criminalização das lutas sociais em vários países, particularmente na Colômbia, Peru, Paraguai, Guatemala e Honduras. Na Guatemala e Honduras, as alianças militares-oligárquico que governam estes países incendiar-se a repressão contra os povos indígenas e os movimentos de protesto em defesa dos recursos naturais, terras e seus territórios, que estão sendo invadidos e saqueados por empresas nacionais e transnacionais. Expressamos nossa preocupação com a escalada da violência no Paraguai e da perseguição e criminalização do movimento popular. Condenamos a matar líderes camponeses, jornalistas e ativistas sociais. Exigimos a libertação dos presos políticos ea investigação imediata do abate de Curuguaty. Incentivar o progresso significativo das forças paraguaias deixou a Frente Guazú que em novembro deste ano das eleições municipais realizadas em 85% dos municípios.
Apoiamos experiências políticas e sociais que requerem mudanças substanciais nas leis que permitem a corrupção e limitam comparecimento forças democráticas no as várias expressões da sociedade e da esquerda.
Também expressamos nossa preocupação com a situação de violação dos direitos humanos sofridas pelos migrantes e América do Sul, Caribe, centro-americanos e mexicanos, em todo o território do México, onde há uma crise humanitária, para os EUA. Exigimos o respeito por sua vida e integridade física e dos seus direitos, ea criminalização da migração com a garantia do direito à mobilidade humana ou migração. Estamos preocupados com a detenção de centenas de crianças e jovens por parte das autoridades de imigração dos EUA e condenar as atitudes xenófobas de grupos conservadores que pretendem expulsar o país em violação das suas próprias leis. Estamos solidários com o movimento imigrante em os EUA em sua exigência de uma reforma abrangente da imigração. Também condenamos o assassinato do policial contra a população negra ea criminalização continuada dos latinos e imigrantes no seu território.
Neste contexto, devemos mencionar a hegemonia revolucionária exercido pelos sandinistas no poder na Nicarágua, onde um grande progresso está sendo feito na redução da pobreza e da desigualdade social, a democratização da economia, a criação de um modelo político popular, igualdade entre os sexos, a protecção da Mãe Terra e da restauração dos direitos do povo nicaragüense, que é expresso no grande apoio popular que tem sustentado os sandinistas já há vários anos. A gestão do atual governo sandinista encabeçado pelo presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, garantiu a melhoria das condições de vida do povo da Nicarágua, no contexto de um crescimento económico sustentado que será substancial consolidação com a construção e colocação em serviço do canal.
O atual governo da FMLN, dirigido por Salvador Sanchez Ceren, membro do comando geral na guerra civil, negociação e assinatura dos Acordos de Paz em 1992, continua e aprofunda as mudanças de transição democrática em El Salvador começou em 2009 com a primeira que o governo do partido no meio de uma feroz mídia e ações diretas no contra-ofensiva vida pública do país. Também reiteramos nosso apoio incondicional ao processo de mudança experimentada pelo povo salvadorenho e expressar a nossa solidariedade à campanha de desestabilização que expulsar as forças da oligarquia e do golpe locais e estrangeiros contra o governo legitimamente eleito da FMLN, com a clara intenção de reverter transformações são alcançados e recuperar seus privilégios, e exortamos nossos membros a participar e felicitar o FMLN para a realização do seu primeiro. Congresso em novembro de 2015.
Para avançar a ocupação e consolidação de espaços a partir do qual defender eficazmente os interesses do povo, bem como o acesso ao poder da esquerda para empreender as mudanças sociais e estruturais necessárias, que impõe o imperativo de unidade e projeto político ação, até mesmo nas eleições, todas as expressões organizadas do movimento das pessoas da esquerda e da largura social e revolucionárias.
Declaramos nosso apoio ao companheiro Evo Morales, seu governo e do MAS-IPSP, enquanto nós felicitar o povo boliviano para as grandes realizações no processo de mudança profunda: a construção do Estado Plurinacional, aplicando um modelo econômico que gera excedentes e redistribuído para o benefício de toda a população através de diferentes mecanismos, o início de um processo de industrialização, como resultado da recuperação da propriedade estatal dos recursos naturais, o papel dos movimentos sociais na transformação revolucionária e articulação socialismo com o projeto emancipador dos povos indígenas.
Exigimos a aparência na vida dos professores-alunos 43 Ayotzinapa, Guerrero, e mais de 30.000 desaparecidos e justiça e verdade por mais de 100.000 mortes. Condenamos a política repressiva e punitiva do governo mexicano para os movimentos sociais, especialmente os professores, e exigimos a sua cessação imediata.
No Chile nos solidarizamos com o ímpeto das reformas estruturais que elevem o programa do governo da presidente Michelle Bachelet, chefe da coligação Nova Maioria para uma nova constituição para superar o legado da ditadura militar, ea demanda por Assembléia Constituinte impulsionada por forças de esquerda dentro e fora do governo, ea luta do povo chileno.
Em resposta a estas realizações, a direita e extrema direita fascista recaída para implementar uma estratégia de desestabilização em grande parte como uma reação à sua incapacidade de derrotar politicamente as forças populares que resultaram em concursos sucessivos vencedores.
O México é um dos poucos países da América Latina onde ainda não chegou a um partido de esquerda ao governo nacional. Apesar do fracasso evidente de uma política econômica que há 30 anos não deu frutos. Trinta anos de estagnação econômica, crise, desvalorização e recessão. A insegurança, o crime, a corrupção ea impunidade ainda são a imagem de todos os dias. Neste contexto, apelamos para a unidade das organizações de esquerda e sociais, de modo que eles constituem uma alternativa viável para o povo mexicano para retomar o curso do desenvolvimento e acompanhar o processo de transformação actualmente a ser desenvolvido na maioria os países das Américas.
Como parte da contra-ofensiva global do imperialismo e dos direitos, é necessário advertir os partidos e os governos da região sobre o perigo da restauração conservadora que atua em nossos países, através de uma gama de instrumentos subversivo dirigido e coordenado pela EUA, em conjunto com organizações políticas e sociais sobre o direito, corporações transnacionais, os meios de comunicação, entre outros atores contra-revolucionários que ameaçam os governos que, em sua opinião um obstáculo ou afetar o seu interesse global.
Actualmente no curso que pode ser chamado de "guerra não convencional", seguindo o exemplo de agressão militar, como no caso da Líbia, e certas práticas de política influência médio prazo combinado com maior radicalidade em ações desestabilizadoras, que descaradamente procurar o chamado de "mudança de regime" por turnos "células terroristas supostamente populares" e ingerência imperialista que podem levar a conflito armado, como o caso da Síria.
A República Bolivariana da Venezuela é uma democracia sitiada pelo imperialismo e seus aliados. Na verdade, é sujeito a uma guerra permanente nos domínios político, económico e psicológico. O decreto do presidente Obama, Venezuela declarar uma ameaça incomum para seus decretos de segurança e de emergência nacional, é uma clara declaração de guerra e uma ameaça à paz na região. A campanha de mídia para desacreditar as instituições governamentais e estatais visam minar a soberania popular; as ações tomadas por algumas ONGs de Direitos Humanos acompanhou o desempenho económico duvidosa e guerra subversiva e ações violentas buscar desmoralizar as pessoas e tomar o poder por meios não democráticos. No entanto, em meio a condições difíceis, o povo venezuelano está organizada e mobilizada para participar e oferecer ao mundo uma retumbante vitória em 6 de Dezembro, nas eleições parlamentares de que Chávez, bolivarianos e anti-imperialistas pessoas triunfará
Devemos apoiar o desenvolvimento da situação na Venezuela, apoiando iniciativas de diálogo, e estar ciente das eleições gerais em 6 de dezembro, na solidariedade e apoio incondicionalmente o PSUV eo Grande Pólo Patriótico, que recentemente teve uma vitória expressiva na anterior eleição com uma participação recorde de 3.162.400 eleitores.
No Brasil, após a quarta vitória eleitoral nacional do PT, PCdoB e outros partidos e movimentos aliados em outubro de 2014, de direita e as forças conservadoras, com a colaboração activa da imprensa mainstream, setores judiciário e equipamentos de investigação e aplicação, pelas autoridades públicas, lançaram uma ofensiva política com o objetivo de desestabilizar o governo da presidente Dilma Rousseff, criminalizar e perseguir o PT e da esquerda brasileira, e desacreditar e desativar o sócio ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Aproveitando-se da investigação de corrupção de funcionários públicos da empresa Petrobras, os ataques das forças neoliberais procuram mudar a lei sobre a referida empresa ea exploração de petróleo do pré-sal, visando à criação de ambiente propício para as empresas petrolíferas transnacionais. O FSP está em solidariedade com a esquerda brasileira e posições em defesa da democracia, a legalidade constitucional e legítimo o mandato da presidente Dilma Rousseff contra tentativas de golpe pela direita brasileira
Expressamos nosso apoio e solidariedade ao presidente Rafael Correa Delgado e membros da Frente Unida e Alianza País, assim como todo o povo equatoriano contra as manifestações beligerantes por direita conservadora equatoriano, tentando reforçada através da consolidação de um golpe suave. Por estas razões, apoiamos a chamada para o Diálogo Nacional, organizado pelo governo equatoriano que o processo de Revolução Cidadã está enfrentando a tarefa de construir um, justa e solidária país mais justo. Apelamos aos equatorianos para defender tudo comprado e do Governo, e estar em vigília constante contra possíveis intervenções grupos antidemocráticos da burguesia, que querem voltar ao passado, evitando, assim, continuar melhorar as condições de vida de amplos setores da população historicamente excluída.
Menção especial deve ser o acompanhamento e a comunicação de tratados bilaterais de investimento assinados por nossos países, na última década do século passado, durante o auge do neoliberalismo escuro, o aplicativo pode constituir, no momento, em fator de desestabilização económica profunda e instrumento
chantagem internacional nosso país, violando nossa soberania.


 http://forodesaopaulo.org/declaracion-final-del-xxi-encuentro-del-foro-de-sao-paulo-en-la-ciudad-de-mexico-df/

quinta-feira, 9 de julho de 2015

HANGOUT BUNKER DA CULTURA 9/7/15

TEMA: PSICOPATIA E AS RELAÇÕES SOCIAIS NA CONTEMPORANEIDADE
COM
DRA. TATIANA ROCHA NETTO E PROF. MARLON ADAMI