Free Shoutcast HostingRadio Stream Hosting

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

"Por que os jovens ignoram a história e insistem em ser de esquerda"

"Quase trinta anos após a queda da União Soviética, após a abertura da China e, mais recentemente, o agravamento da crise na Venezuela, a esquerda ainda levanta bandeiras como maior controle governamental, prevalência do Estado sobre o mercado e outras medidas que causaram a ruína de países socialistas no último século. E os jovens ainda são atraídos por ideologias de esquerda – não importa o quão falhas elas tenham se mostrado ao longo da história.
Um estudo recente da Pew Research Center indica que a maioria dos adolescentes e jovens da Geração Z têm convicções de esquerda e acreditam em um Estado maior. A Geração Z engloba os jovens nascidos após 1996, que estão se aproximando ou entrando na vida adulta. Em 2020 boa parte deles irá votar, o que significa que suas ideologias políticas poderão contribuir para o cenário político."
Observamos muito os nascidos a partir da década de 80/90, a geração Z, mas esse modelo de formação esquerdista já existia nos anos 60/70 e por nada não temos escolas e universidades repletos de pessoas dessa geração formando jovens como novos esquerdistas, perpetuando a formação e a luta da esquerda dentro da sociedade, se renovando dia a dia.
"No Brasil, os últimos anos mostraram crescimento da parcela que se posiciona com ideologias da esquerda. Pesquisa do Datafolha divulgada em 2017 apontava que 41% da população se identificava com posicionamentos de esquerda. O levantamento avaliou as opiniões dos brasileiros sobre uma série de questões envolvendo valores sociais, políticos, culturais e econômicos e a partir daí os posicionou em escalas de comportamento e pensamento econômico, dentro das quais eles foram segmentados em esquerda, centro-esquerda, centro, direita e centro-direita.
A identificação com a esquerda também pode estar relacionada ao comportamento, e não à economia, indica a mesma pesquisa: entre 2013 e 2017 houve aumento na parcela de pessoas que acreditam que “boa parte da pobreza está ligada à falta de oportunidades iguais para que todos possam subir na vida”, enquanto a avaliação de que a “homossexualidade deve ser aceita por toda a sociedade” passou de 64% para 74% no período, opiniões identificadas com ideologias de esquerda.
Por outro lado, o percentual daqueles que se identificam como “esquerda” é muito maior entre professores de História. Uma dupla de pesquisadores realizou um levantamento com 288 professores de História de países do Mercosul – Brasil, Argentina Uruguai e Paraguai – mais o Chile. Uma das perguntas do questionário foi em qual partido os docentes costumam votar nas eleições. Ao todo, 84,5% dos professores brasileiros disseram preferir siglas de esquerda ou centro-esquerda. Já centro, centro-direita e direita, somados, corresponderam a 15,5% dos entrevistados."
"Para Tom Switzer, diretor executivo do Center for Independent Studies em Sidney (Austrália), uma das causas principais para a atração dos jovens pela esquerda é o desconhecimento.
“Parte do problema é simplesmente ignorância. Apenas 26% dos millennials estão familiarizados com Vladimir Lenin e 34% com Joseph Stalin. Apenas 21% dos entrevistados disseram que sabiam quem era Mao. Não importa que esses homens tenham sido responsáveis pela morte de dezenas de milhões e pelo empobrecimento de centenas de milhões”, diz Switzer.
“Eles deveriam pelo menos saber sobre a Venezuela, onde o regime socialista nas últimas duas décadas levou à repressão, uma economia em queda livre, doença generalizada e fome e emigração em massa”, completa.
Ainda de acordo com a pesquisa do CIS, 58% dos jovens australianos têm uma visão favorável do socialismo, com apenas 18% deles tendo uma visão desfavorável. A pesquisa revela que a exposição limitada dos jovens australianos aos horrores do socialismo pode estar levando-os a romantizar a ideologia: quase dois terços dos jovens entrevistados acredita que o capitalismo falhou e que mais intervenção do governo é necessária.
“Os experimentos fracassados do século XX com o socialismo servem como uma grande lição que, apesar de suas promessas idealistas de igualdade, a ideologia levou a nada além de opressão e pobreza. No entanto, os millennials australianos permaneceram relativamente não afetados pelas deficiências do socialismo”, diz Switzer.
A opinião é compartilhada por Jean-Marie Lambert, doutor em Ciências Políticas pela Universidade de Liège e professor emérito da PUC-Goiás. Para Lambert, o sistema universitário está formando gerações incapazes de compreender o que é socialismo e com ausência de capacidade crítica.
“Em uma universidade você precisa repetir comandos para ser aceito: minorias, feminismo, misoginia... Em geral, não há capacidade de recuo crítico, tampouco de análise filosófica.  Então fica fácil manobrá-los para votarem em candidatos de esquerda”, diz.
“Estamos vivendo, desde então, uma ‘colonização educacional’. Esses quadros ideológicos, os chamados progressistas, nascem basicamente no sistema universitário americano, para propagação periférica. São gerações que são formadas nessa ideologia progressista e hoje estamos colhendo os frutos dessa política educacional”, crítica o professor.
Contradições
Por outro lado, um levantamento da Gallup, empresa de pesquisa de opinião nos Estados Unidos, mostra que os jovens têm visões que na prática contradizem a crença no socialismo. Segundo a pesquisa, 90% dos jovens entre 18 e 29 anos tem uma visão positiva dos empreendedores, e 98% veem positivamente as pequenas empresas.
“Jovens de vinte e poucos anos não querem que o governo administre pizzarias, mas querem mais controle governamental sobre alguns setores da economia”, escreveu recentemente Edward L. Glaeser, professor de economia na Universidade de Harvard.
Segundo ele, para evitar que os jovens caiam no socialismo de fato, é necessário fortalecer o empreendedorismo e melhorar as oportunidades de ascensão social dos jovens: “Por mais imperfeito que seja o livre mercado, o histórico moral e econômico das economias dominadas pelo Estado é muito pior”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário