Bunker da Cultura Web Radio

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O QUE PODEMOS APRENDER COM A HISTORIA


Recentemente terminei de ler um livro sobre dez decisões que mudaram o mundo. Refere-se as decisões tomadas pelos governos da Alemanha, Itália, Inglaterra, Estados Unidos, Japão e União Soviética que levaram a Segunda Guerra Mundial.

Me chamou a atenção muita coisa que ainda vemos no mundo em que vivemos hoje em dia.

A primeira coisa que me chamou a atenção foi o fanatismo e o culto ao governante. Adolf Hitler soube explorar o sentimento do povo alemão que se sentia subjugado pelos países que venceram a Primeira Guerra Mundial. 
Conseguiu, com o apoio popular, se tornar chanceler da Alemanha e graças ao seu discurso demagógico, instalar uma ditadura cruel na Alemanha. A imprensa foi controlada pelo governo. Hitler era adorado pelo povo alemão assim como Hiroito era considerado uma divindade pelo povo japonês.

Tanto a Alemanha como o Japão e a Itália se armaram até os dentes para se defender contra o "imperialismo" dos países ricos, Inglaterra e Estados Unidos principalmente.

Vejo hoje em dia muita semelhança entre o discurso da esquerda e o discurso nazi-fascista. Felizmente não temos o discurso de que os judeus eram os responsáveis por todas as desgraças do mundo. Hoje os países ricos e os louros de olhos azuis é que são responsáveis por tudo que há de ruim no mundo.

Caudilhos como Hugo Chávez se armam até os dentes e o mundo assiste como se fosse a coisa mais natural. Tal como Hitler, Chávez tem pretensões territoriais sobre a Guiana, a Colômbia e apoia a reivindicação da Bolívia sobre uma parte do Chile para que a Bolívia possa ter acesso ao mar.

Na época do nazismo Stalin fez um tratado de paz com Hitler, e foi traído, só parou o avanço das forças alemãs nas portas de Moscou.

O governo petista tem apoiado Hugo Chávez em sua política de restringir a liberdade de expressão na Venezuela bem como sua política armamentista.

Será que não aprendemos nada com a história?

Nenhum comentário:

Postar um comentário